GP1

Brasil

Menina de 11 anos que foi estuprada em SC consegue fazer aborto

O hospital havia recebido recomendação do MPF, um dia antes, para realizar o procedimento.

A história que comoveu e mobilizou o Brasil teve um desfecho. A criança de 11 anos que foi vítima de uma gravidez indesejada, após ter sofrido estupro em Santa Catarina, enfim conseguiu interromper a gestação.

De acordo com as informações repassadas pela assessoria de imprensa do Ministério Público Federal (MPF), o aborto foi realizado na quarta-feira (22). Por sua vez, o hospital informou através de nota que não dá informações sobre os pacientes, em respeito à privacidade, e porque o caso está em segredo de justiça. A advogada da família também não quis se pronunciar.

Este mesmo hospital, inclusive, já havia recebido uma recomendação do MPF para realizar o procedimento nos casos autorizados por lei, independentemente de autorização judicial, idade gestacional ou tamanho do feto.

Entenda o caso

A criança descobriu a gestação quando tinha 22 semanas e foi impedida de realizar o procedimento. Posteriormente, foi mantida em um abrigo para evitar que fizesse um aborto autorizado. O caso ganhou repercussão na segunda-feira (20), após uma reportagem do Portal Catarinas e The Intercept.

Somente no dia seguinte é que a menina foi liberada para sair do abrigo e voltar à casa da mãe. Depois disso, a defesa da família da menina entrou com um habeas corpus no Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) para realizar o procedimento de interrupção da gravidez.

Investigações

Ademais, a conduta da promotora e da juíza que atuam no caso estão sendo investigadas. Nessa segunda-feira (21), a Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informou que está apurando a conduta da juíza Joana Ribeiro Zimmer.

Foto: Reprodução/WhatsAppJuíza Joana Ribeiro Zimmer
Juíza Joana Ribeiro Zimmer

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.