O "novo imperador" do Brasil

  • Foto: DivulgaçãoJúlio César CardosoJúlio César Cardoso

O presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (MDB-RJ) se autoproclamou o “novo imperador do Brasil” ao peitar o presidente Jair Bolsonaro, bem como o ministro da Justiça Sérgio Moro. Cada vez mais este país vai de mal a pior.

Quantos votos o “novo imperador do Brasil” obteve para chegar à Câmara Federal? Quantos votos o presidente Jair Bolsonaro obteve para chegar à presidência da República? A diferença eleitoral esmagadora parece que não soou forte nos ouvidos do impoluto “novo imperador.” Ou o “novo imperador” pensa que pode desafiar o presidente da República?

Veja só o topete do “novo imperador”: além de pretender ditar regras ao presidente Bolsonaro, criticando a sua forma de governar, resolveu peitar também o ministro Moro sobre a tramitação da proposta de Lei Anticrime apresentada à Câmara Federal, aduzindo de forma grosseira que o ministro Sérgio Moro não entende nada das nuances e dos escaninhos sombrios da política.

O nervosismo do “novo imperador” talvez seja reflexo da prisão de seu sogro, Moreira Franco, juntamente com Michel Temer, semana passada.

Assim, “novo imperador”, maneire os seus impulsos! Não invada a fronteira da presidência da República. Limite-se à sua insignificância eleitoral. Não seja quixotesco. Não impeça a tramitação de projetos do governo. Enfim, cumpra a sua obrigação de pautar as propostas de interesses do país.

Júlio César Cardoso

Servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Voltar para a home

Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do GP1.

Sobre o autor

Este blog é sobre a opinião do leitor