Sigmund Freud e as Feridas Narcísicas da Humanidade, ou a Soberba como primeiro Pecado Capital

- atualizado

Sigmund Freud, há mais de 100 anos, afirmara que a humanidade havia sido ferida em seu narcisismo em 3 ocasiões.

A primeira quando foi postulado por Nicolau Copérnico (apesar de a tese já ter sido aventada desde os tempos pré-socráticos) que o planeta Terra não era o centro do Universo como a Teologia Medieval pregara por tanto tempo, mas apenas mais um planeta em uma enorme vastidão sideral.

A segunda ocorreu quando Charles Darwin teorizou e provou que a humanidade nada tinha de especial em relação aos outros seres, posto que surgira a partir das mesmas leis evolutivas que regiam todas as demais espécies.

Já a terceira e mais contundente afronta à mania de grandeza dos humanos, como dizia o pai da Psicanálise, foi quando restou demonstrado pelos estudos e postulados psicanalíticos que o indivíduo não é senhor nem de sua própria casa, tendo em vista o Ego (ou o Eu) é apenas um dos vários elementos da psique e sua suposta autonomia e independência é, na verdade, inteiramente dependente do Inconsciente, onde residem as causas últimas do suposto livre arbítrio humano.

Essa questão do narcisismo humano é tão antiga quanto a própria humanidade, conforme tão bem constatado pelos Padres do Deserto (monges, eremitas e ascetas que habitaram os desertos do Egito a partir do século III d.C.), na medida em que postularam que o Orgulho era o pior dos 7 Pecados Capitais.

As constatações de Freud e dos eremitas monásticos não são apenas de cunho social e religioso, mas aplicam-se cabalmente à questão terapêutica, na medida em que um dos principais aspectos a ser trabalhado pelo paciente é o apego do indivíduo às suas questões egóicas, que tanto o fizeram, fazem e, certamente, farão sofrer, até que haja a tomada de consciência de suas sombras e a efetiva entrega ao processo de Individuação.

Por pertinência, cito Carl G. Jung: "Até você se tornar consciente, o Inconsciente irá dirigir a sua vida e você vai chamá-lo de Destino."

Voltar para a home

Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do GP1.

Sobre o autor

Anastácio Aguiar é Psicanalista, Hipnólogo e Terapeuta de vidas passadas e escreve a Coluna desde 2008.