GP1

Economia e Negócios

Dona do TikTok corta equipe de investimentos e cresce menos em receita

Empresas do país enfrentam diversas repressões estatais regulatórias contra monopólios.
Por Estadão Conteúdo

A empresa ByteDance, dona do TikTok, está encolhendo sua equipe de investimentos e dissolvendo um grupo focado em retornos financeiros, em resposta a repressões regulatórias na China contra monopólios. A informação é da agência de notícias Reuters, que conversou com três fontes a par do assunto nesta quarta-feira, 19.

A ByteDance havia dividido seu braço de investimento externo em divisões financeiras e estratégicas, com a última destinada a financiar outros negócios que pudessem ter sinergias com a empresa.

Os funcionários da equipe de investimentos financeiros foram informados por executivos da ByteDance que a equipe será dissolvida e foram incentivados a procurar oportunidades em outros lugares, disseram duas das fontes à Reuters.

A empresa não respondeu a um pedido da Reuters para comentar sobre o assunto.

As seis unidades de negócios da ByteDance, criadas em outubro em uma grande reformulação organizacional, incluem o TikTok e sua versão chinesa Douyin. A revisão da equipe de investimentos estratégicos foi projetada para "melhorar as colaborações entre pesquisa de estratégia e operações de negócios", disse a empresa.

A medida acontece enquanto Pequim amplia os esforços antimonopólio para conter gigantes de tecnologia. Os últimos investimentos de ByteDance incluem a compra de US$ 4 bilhões do estúdio de jogos Moonton Technology, de Xangai, no ano passado – o Moonton é conhecido por seu jogo online Mobile Legends. A empresa também comprou a fabricante de fones de ouvido de realidade virtual Pico.

Desaceleração

As regulamentações chinesas também têm freado o crescimento da ByteDance. Segundo a Reuters, a dona do TikTok viu sua receita total crescer 70% ano a ano, para cerca de US$ 58 bilhões em 2021, de acordo com duas pessoas familiarizadas com o assunto – é um crescimento mais lento na comparação com 2020, quando a empresa registrou um aumento de 100% no faturamento, para US$ 34,3 bilhões.

Outras empresas chinesas de tecnologia, como Tencent e Alibaba, também relataram desaceleração do crescimento.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.