GP1

Imperatriz - Maranhão

Vídeo mostra médico Bruno Calaça sendo morto por PM em Imperatriz

O caso ocorreu na madrugada dessa segunda-feira (26) e o suspeito fugiu logo após o crime.

Imagens de uma câmera de segurança flagraram o momento em que o médico Bruno Calaça Barbosa, de 24 anos, foi assassinado em uma casa de eventos localizada na cidade de Imperatriz, região Sul do Maranhão. O caso ocorreu na madrugada dessa segunda-feira (26) e o principal suspeito do crime trata-se de um soldado da Polícia Militar do Maranhão, identificado como Adonias Sadda.

De acordo com as imagens é possível ver o momento em que dois homens se aproximam da vítima, que está acompanhado de uma mulher. Os suspeitos saem do canto esquerdo do vídeo, se dirigem até o lado direito e um deles, de camisa branca, aborda a vítima e em seguida tem-se início a uma discussão.

Rapidamente, o policial militar, que está com uma camisa cinza, saca sua arma de fogo e dá um tiro no peito do médico, à queima roupa.

Bruno Calaça Barbosa foi surpreendido e sequer teve chances de defesa. Sem entender o que aconteceu, a vítima ainda ficou cerca de 5 segundos em pé, mas caiu sem vida.

Foto: Reprodução/WhatsAppBruno Calaça Barbosa
Bruno Calaça Barbosa

Ao se depararem com a cena, as pessoas que estavam no local se espalham, desesperadas com a situação e o soldado foge logo em seguida. Ainda não há informações sobre o paradeiro do soldado Adonias Sadda. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil do Maranhão.

Por meio da nota, a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão afirmou que todos os esforços estão sendo tomados com o objetivo de localizar o acusado do crime, através de buscas realizadas pela Polícia Civil e Polícia Militar.

A Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP) e o Comando Geral da Polícia Militar sublinham que todos os esforços para localizar o Soldado Adonias Sadda, que fugiu do local do ocorrido, estão sendo empreendidos pela Polícia Militar e Polícia Civil. Ressaltam, ainda, que todas as medidas de cunho administrativo e criminal serão tomadas pela Corregedoria Geral. A investigação do caso segue ao encargo da Polícia Civil.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.