GP1

Mundo

Rússia registra novo recorde de casos de covid-19 em 24h

A aceleração da pandemia na região levou alguns países da Europa Central a imporem novas restrições.
Por Estadão Conteúdo

A Rússia relatou sua maior contagem de casos covid-19 em um dia desde o início da pandemia, nesta segunda-feira, 25, quando algumas regiões impuseram um fechamento dos locais de trabalho para combater um novo surto de infecções e mortes. A aceleração da pandemia na região levou alguns países da Europa Central a imporem novas restrições.

As autoridades russas relataram 37.930 novas infecções de covid-19 nas últimas 24 horas, um recorde, bem como 1.069 mortes relacionadas com o vírus, seis a menos do que o recorde de 1.075 estabelecido no sábado.

Diante do agravamento das taxas de contágio e morte por coronavírus e frustradas pela lenta adoção da vacina Sputnik V da Rússia por sua própria população, as autoridades estão introduzindo medidas mais rigorosas esta semana para tentar retardar a propagação da pandemia.

O ceticismo em relação à vacinação é alto em toda a Europa Central e Oriental e, como resultado, a região se tornou um ponto de acesso.

Na Ásia, a Cruz Vermelha pediu ajuda urgente para Papua Nova Guiné e o último surto da China forçou a capital Pequim a adiar sua maratona anual e a intensificar outros meios de transporte, menos de quatro meses antes de sediar os Jogos Olímpicos de Inverno.

Autoridades em todo o mundo têm soado o alarme com o surto de infecções, com governos em regiões onde o consumo de vacinas tem sido baixo, forçados a endurecer as restrições, numa tentativa de parar o vírus que está fora de controle.

Restrições mais rígidas entraram em vigor na Romênia e na República Tcheca nesta segunda-feira, enquanto na Eslováquia regras mais rígidas foram expandidas para mais regiões. Na Bulgária, a polícia vai começar a impor multas às pessoas que quebrarem as restrições a partir de segunda-feira.

Na Romênia, onde um funcionário do governo no sábado lamentou uma "situação de desastre", o governo reintroduziu o toque de recolher noturno e tornou obrigatório o cartão de saúde para a entrada na maioria dos locais públicos, enquanto as crianças da escola foram enviadas de férias por duas semanas.

"As restrições parecem estar funcionando, há menos pessoas nas ruas", disse Gheorghe Ion, um motorista de táxi de Bucareste. "Estou esperando aqui há uma hora sem uma ordem".

O ministro da saúde da Polônia advertiu que o governo precisaria considerar restrições mais rígidas se os casos continuassem aumentando, mas enfatizou que não estava planejando um fechamento.

Embora especialistas tenham dito que a falta de confiança nas instituições públicas causada por décadas de domínio comunista alimentou o ceticismo vacinal na região, havia sinais de que mais pessoas estavam respondendo aos temores sobre a onda com um golpe.

Na Romênia, as autoridades disseram que a vacinação aumentou na semana passada, enquanto na República Tcheca o número diário de doses administradas foi o mais alto desde o final de agosto.

O presidente russo, Vladimir Putin, declarou na semana passada que haveria feriado remunerado no país entre os 30 de outubro a 7 de novembro, mas disse que cada região poderia estender esse período ou iniciá-lo mais cedo, dependendo da situação epidemiológica.

Seis regiões, incluindo Samara e Perm, a leste de Moscou, iniciaram seus dias de feriado nesta segunda-feira, informou a agência de notícias TASS. A partir de quinta-feira, Moscou introduzirá suas medidas de fechamento mais rigorosas desde junho de 2020, com apenas lojas essenciais, como supermercados e farmácias, permanecendo abertas.

As medidas não são populares entre alguns residentes de Moscou, que questionam se a perturbação é justificada.

"Estou muito cético em relação ao fechamento porque ele prejudica as empresas antes de tudo", disse um homem que deu seu nome como Viktor enquanto caminhava em frente ao Teatro Bolshoi, usando uma máscara de proteção. "Sou atleta e os ginásios estão fechando. Para as pessoas que vivem e respiram o esporte, é muito ruim".

As escolas de Moscou também estão fechadas, e os maiores de 60 anos não vacinados na capital foram ordenados a fechar por quatro meses a partir de segunda-feira.

Autoridades em São Petersburgo, a segunda maior cidade da Rússia, disseram que as restrições da covid-19 não seriam levantadas até que pelo menos 80% de sua população fosse vacinada, informou a agência de notícias RIA. Em todo o país, apenas cerca de um terço da população foi vacinada.

Putin ordenou uma série de medidas incluindo o aumento da testagem, um monitoramento mais rigoroso do uso de máscaras e distanciamento social, e uma aceleração da campanha de vacinação, com os funcionários recebendo dois dias pagos de licença como recompensa por terem sido vacinados.

Esforços urgentes

A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho advertiu sobre o potencial de um grande número de mortes em Papua Nova Guiné, a menos que uma ação internacional seja tomada para ajudar o serviço de saúde da nação da ilha em dificuldades. leia mais

Menos de 1% da população foi totalmente vacinada, de acordo com informações do Our World in Data, com a Cruz Vermelha culpando a desinformação, a apreensão pública e os desafios logísticos pela situação.

"São necessários esforços urgentes e mais apoio na área da saúde para evitar uma perda maciça de vidas nos próximos dias e semanas", disse Uvenama Rova, secretário-geral da Cruz Vermelha de PNG.

As autoridades sanitárias chinesas advertiram no domingo que seu último agrupamento, causado pela variante delta e envolvendo muitas transportadoras que recentemente viajaram por algumas províncias, era cada vez mais provável que se expandisse ainda mais.

Pequim proibiu a entrada de pessoas de outras cidades onde há registros de casos, e proibiu o funcionamento de recintos fechados, como algumas casas de xadrez e de jogos de cartas, mesmo em distritos sem infecções. Embora o número de casos na capital seja muito menor do que muitos lugares fora da China, as autoridades adotaram uma estratégia de tolerância zero.

A Nova Zelândia viu sua segunda maior contagem diária de infecções por covid-19 desde o início da pandemia, com 109 novos casos de coronavírus adquiridos localmente relatados na segunda-feira, a maior parte deles em sua maior cidade, Auckland.

Uma vez elogiada por seu sucesso em erradicar o vírus, a Nova Zelândia vem lutando com um surto da variante delta centrada em Auckland, apesar de a cidade ter permanecido sob um rigoroso bloqueio por mais de dois meses.

Na Europa Ocidental, os casos também estavam em ascensão, apesar das taxas mais altas de aplicação de vacinas do que no leste do continente.

As infecções na Holanda vêm aumentando há um mês e alcançaram seu nível mais alto desde julho no domingo, depois que muitas medidas de distanciamento social foram abandonadas no final de setembro.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, deve atualizar as políticas de coronavírus até 5 de novembro, mas a pressão está subindo para que se obtenha uma resposta mais rápida aos números recentes.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.