GP1

Mundo

Emmanuel Macron toma posse como presidente da França

Macron falou sobre a necessidade de inovar em um momento de desafios sem precedentes para o mundo.

O recém-reeleito presidente da França, Emmanuel Macron, tomou posse de seu segundo mandato com a promessa de governar o país nos próximos cinco anos com um “novo método” para criar uma França “mais independente e mais forte”. A cerimônia aconteceu no Palácio do Eliseu, em Paris, neste sábado, 7.

Em um breve discurso, Macron falou sobre a necessidade de inovar em um momento de desafios sem precedentes para o mundo e para a França. Ele também listou os principais desafios enfrentados na primeira gestão: a crise climática, a pandemia de coronavírus e a guerra na Ucrânia, que ameaça a Europa.

Para os próximos cinco anos, Macron prometeu que segundo mandato será “novo”, e não apenas uma continuação dos primeiros anos de governança. “Agir sem descanso com um objetivo: ser uma nação mais independente, viver melhor e construir nossas respostas francesas e europeias aos desafios do nosso século”, declarou o centrista.

“Precisamos inventar juntos um novo método, longe de tradições e rotinas cansadas, com o qual possamos construir um novo contrato produtivo, social e ecológico”, acrescentou.

Se referindo à crise climática, Macron disse que o objetivo é deixar como legado um outro planeta, mais habitável. “Estamos no momento em que o século está mudando. Na grande desordem planetária, temos juntos que traçar um outro caminho”.

Em um país onde os presidentes raramente são reeleitos, Macron obteve 58,5% dos votos no segundo turno contra Marine Le Pen, de extrema direita, apesar da forte oposição às suas políticas pró-negócios e da proposta de reforma da previdência, que aumentaria a idade de aposentadoria. Macron também enfrentou a crise da pandemia de covid-19 e, agora, a ameaça gerada pela guerra na Ucrânia.

O segundo mandato de Macron começa oficialmente no dia 13 de maio. Enquanto isso, os adversários políticos do presidente se preparam para as eleições legislativas do próximo mês. Macron vai buscar renovar a maioria parlamentar.

Mais de 500 convidados estiveram presentes na cerimônia. Entre eles, estavam os ex-presidentes franceses François Hollande e Nicolas Sarkozy, os ex-primeiros-ministros Edouard Philippe, Manuel Valls, Alain Juppe e Jean-Pierre Raffarin, além de líderes religiosos e outras figuras estatais.

Hollande, que apoiou Macron na votação do segundo turno contra Le Pen, afirmou após a cerimônia que Macron não podia se dar ao luxo de reproduzir os “métodos de ontem”. “O que notamos nesta eleição foi que há mais cidadãos (que votaram) por rejeição, e não por esperança”, disse Hollande.

Uma esquerda política recém-unida em uma coalizão, formada entre o Partido Socialista de Hollande, o partido de extrema esquerda La France Insoumise (LFI), os Verdes e o Partido Comunista, espera retirar de Macron a maioria no Parlamento nas próximas eleições parlamentares, a serem realizadas no dia 12 a 19 de junho.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.