GP1

Mundo

Entenda o que a morte de Al-Zawahiri significa para a Al-Qaeda

Especialistas apontam proximidade entre o Taleban e a Al-Qaeda.
Por Estadão Conteúdo

O líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, morto na segunda-feira, 1, com um ataque americano de um drone em Cabul, no Afeganistão, era considerado um dos terroristas mais procurados do mundo e a mente estratégica por trás do grupo de Osama bin Laden.

Apesar do otimismo do presidente americano Joe Biden com o sucesso da operação e a capacidade do Pentágono de executar ataques cirúrgicos, especialistas acreditam que o fato de Zawahiri estar em Cabul, meses após a retirada americana, indica uma possível proximidade entre o Taleban e a Al-Qaeda.

Entenda quais são as possíveis consequências do ataque e o que ele significa para a Al-Qaeda

O que acontecerá com a Al-Qaeda agora?

Analistas dizem que, no passado, a Al-Qaeda se ajustou à perda de líderes, com novas figuras surgindo em seu lugar. Hoje, porém, o grupo está fragmentado, com filiais e afiliadas abrangendo todo o mundo, da África Ocidental à Índia. A questão permanece se esses grupos se concentrarão em conflitos locais ou se unirão para ambições mais globais.

Charles Lister, especialista em terrorismo do Instituto do Oriente Médio, com sede em Washington, disse que a Al-Qaeda “agora enfrenta uma aguda crise de sucessão”. O líder sênior Saif al-Adel é tecnicamente o próximo na fila para assumir o comando, mas está baseado no Irã, o que fez com que os afiliados questionassem sua credibilidade no passado, escreveu Lister na segunda-feira.

Sua potencial ascensão pode ser o “sentido de morte” para as aspirações da Al-Qaeda como uma organização global à medida que os afiliados aprofundam sua independência do grupo, disse Lister.

A Al-Qaeda não realizou nenhum grande ataque terrorista nos Estados Unidos ou na Europa nos últimos anos, após os atentados que mataram 52 pessoas em Londres em 2005. Alguns terroristas foram inspirados pela al-Qaeda, como um militar saudita que matou três marinheiros americanos em uma base dos EUA na Flórida em dezembro de 2019.

Um agressor empunhando uma faca que esfaqueou fatalmente um homem e uma mulher em um ataque perto da ponte de Londres no mesmo ano já havia sido membro de uma célula inspirada na Al-Qaeda.

Qual foi o papel de Ayman al-Zawahiri na Al-Qaeda?

Os americanos o conheciam como o líder nº 2 da Al-Qaeda, o braço-direito de bin Laden de óculos e barba espessa. Na realidade, dizem observadores de longa data, ele forneceu a direção ideológica, enquanto Bin Laden era o rosto público do grupo terrorista. Zawahiri fundiu seu grupo militante egípcio com a Al-Qaeda na década de 1990.

Por décadas, ele serviu como “o cérebro por trás dos ataques contra os americanos”, disse Biden na segunda-feira – incluindo o ataque de 2000 ao USS Cole no Iêmen, que matou 17 marinheiros americanos e feriu dezenas de outros, e o bombardeio das embaixadas dos EUA no Quênia e na Tanzânia, que matou centenas e feriu dezenas.

“Matar americanos e seus aliados – civis e militares – é um dever individual de cada muçulmano que pode fazê-lo em todos os países em que é possível fazê-lo”, escreveu Zawahiri em 1998.

Após a retirada forçada da Al-Qaeda de sua base no Afeganistão no início de 2002, foi em grande parte Zawahiri quem liderou o ressurgimento do grupo na região tribal sem lei do outro lado da fronteira com o Paquistão.

O que aconteceu com a Al-Qaeda depois que Bin Laden foi morto?

Quando Bin Laden foi morto em 2011, seu número 2, Zawahiri, assumiu como líder. Embora ele fosse a força intelectual por trás do movimento terrorista, alguns especialistas dizem que Zawahiri não tinha o carisma de Bin Laden. Ele permaneceu como uma figura de proa, mas não conseguiu evitar a fragmentação do movimento islâmico na Síria e em outras zonas de conflito após 2011.

Seu controle sobre uma extensa rede de afiliadas na África, Ásia e Oriente Médio foi enfraquecido. O grupo terrorista Estado Islâmico, que surgiu da afiliada iraquiana da Al-Qaeda, procurou se posicionar como uma alternativa mais implacável. Em seus últimos anos, Zawahiri em grande parte se esquivou da opinião pública, presidindo a Al-Qaeda em um momento de declínio, com a maioria das figuras fundadoras do grupo mortas ou escondidas.

Na época da retirada dos EUA, em agosto passado, analistas descreveram a Al-Qaeda no Afeganistão como “um esqueleto de seu antigo eu”, após duas décadas de conflitos e operações de contraterrorismo. Um relatório das Nações Unidas em julho estimou que havia até 400 combatentes da Al-Qaeda no Afeganistão. Alguns especialistas em segurança temiam uma reinicialização da Al-Qaeda sob o Taleban.

No momento de sua morte, a inteligência dos EUA indicou que Zawahiri, em vez de se esconder, estava morando com sua família no centro de Cabul, em um distrito residencial de alta segurança, onde residem muitas figuras importantes do Taleban.

Quando a Al-Qaeda foi fundada?

A Al-Qaeda cresceu a partir de laços no campo de batalha forjados na insurgência afegã contra a União Soviética, que foi redirecionada para a luta contra o Ocidente. O grupo, fundado em 1988 por Osama Bin Laden, atraiu recrutas descontentes que se opunham ao apoio americano a Israel e às ditaduras do Oriente Médio.

Quando o Taleban assumiu o poder no Afeganistão em 1996, deu à Al-Qaeda o santuário que lhe permitiu administrar campos de treinamento e planejar ataques, incluindo o 11 de setembro.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.