Teresina - PI

Após acordo, 70% dos ônibus voltam a circular em Teresina na próxima segunda

Os trabalhadores aceitaram uma proposta do Ministério Público do Trabalho (MPT), com isso, 70% da frota volta a circular na capital a partir de segunda-feira (06).

Thais Guimarães
Teresina
Fábio Wellington
Teresina
- atualizado

Teresina está há cerca de 50 dias sem o serviço de transporte coletivo municipal, desde que os motoristas e cobradores das empresas de ônibus deflagraram greve, reivindicando direitos trabalhistas como plano de saúde e ticket de alimentação, que foram cortados com a crise desencadeada pela pandemia de coronavírus (covid-19). A boa notícia é que, embora a greve permaneça, os trabalhadores aceitaram um acordo proposto pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), com isso, 70% da frota volta a circular na capital a partir de segunda-feira (06).

A proposta foi formulado pelo procurador regional do Trabalho, João Batista Machado Júnior, que nesta quarta-feira (01) anunciou a retomada parcial do transporte coletivo, após o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários no Estado do Piauí (Sintetro) sinalizar positivamente.

  • Foto: Lucas Dias/GP1João Batista , Procurador do trabalho (3)João Batista , Procurador do trabalho

“Recebi há pouco a resposta do Sintetro acerca da proposta formulada pelo Ministério Público do Trabalho na última audiência da segunda-feira. Ele [o sindicato] não concordou com o fim da greve, mas aceitou a proposta alternativa de retorno parcial às atividades”, informou João Batista.

Segundo o procurador regional do Trabalho, se segunda a sexta-feira vão circular 70% da frota, já no sábado e domingo, 30% dos ônibus vão estar disponíveis para a população. “Nós teremos o funcionamento de pelo menos 70% da frota nos horários de pico e 30% nos demais horários. Esses horários de pico serão distribuídos pela Strans em ordens de serviço, normalmente três horas pela manhã e três horas no final do dia, quando as pessoas retornam do serviço. Aos domingos, nós teremos o funcionamento de apenas 30% da frota”, explicou.

Acordo também vale para Timon

O acordo firmado também contempla o transporte coletivo de Timon, cujas empresas são representadas pela mesma entidade, o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros de Teresina (Setut).

“Como a greve sempre engloba Timon, [o acordo] deverá englobar também o transporte de Timon, já que é o mesmo sindicato laboral [que representa]”, esclareceu o empresário Marcelino Lopes, diretor do Setut.

O que diz o Sintetro

Em um vídeo publicado nas redes sociais nesta quarta (01), o vice-presidente do Sintetro, Ajuri Dias, enfatizou que a categoria continuará reivindicando os benefícios, para que enfim a greve acaba. “A gente avaliou a proposta do doutor Machado e entendemos que nesse momento a categoria não suporta ficar sem seus benefícios, tanto o plano de saúde, como a questão do ticket”, declarou.

Terminais permanecem sem funcionar

Washington Bonfim, coordenador do Comitê Gestor de Medidas para Enfrentamento da Pandemia de Coronavírus-Covid-19 da Prefeitura de Teresina, informou ao GP1 na tarde desta quinta-feira (02) que os terminais de integração continuarão sem funcionar. Dessa forma, os ônibus seguirão o itinerário antigo. Ele também afirmou que até o final desta semana a Prefeitura de Teresina deve baixar um decreto, estabelecendo todas as normas relacionadas a essa retomada.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Washington BonfimWashington Bonfim

“Temos um protocolo geral e um especifico do transporte público, que ainda está sendo discutido com as empresas de ônibus, a Vigilância Sanitária do município e a Strans. O ponto a ser ressaltada é que os terminais de ônibus da Capital não voltarão a funcionar nesse primeiro momento. A rota vai ser a antiga, bairro-Centro e vice-versa. Todas as medidas sanitárias para garantir a segurança da população serão seguidas”, colocou Washington Bonfim.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

População de Teresina completa já 45 dias sem transporte público

Ônibus voltam a circular com frota reduzida em Teresina após acordo