Teresina - PI

Câmara de Teresina aprova LDO com emendas de 20% para a Saúde

O presidente da Câmara, o vereador Jeová Alencar (PSDB), explicou que a destinação das emendas impositivas, foi um dos problemas discutidos na sessão dessa terça-feira.

Bárbara Rodrigues
Teresina
Germana Chaves
Teresina

A Câmara Municipal de Teresina aprovou nessa terça-feira (18) a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que irá ajudar na elaboração do Orçamento de 2020 da Prefeitura de Teresina. Os pontos mais polêmicos discutidos foram a destinação de 20% das emendas dos vereadores para a Saúde e a não aprovação da emenda do vereador Joaquim do Arroz que tiraria recursos da comunicação para o transporte eficiente.

O presidente da Câmara, o vereador Jeová Alencar (PSDB), explicou que a destinação das emendas impositivas, foi um dos problemas discutidos na sessão dessa terça-feira. Cada vereador tem direito a cerca de R$ 800 mil, onde indicam as obras e em que áreas o valor deve ser aplicado. Como as emendas são impositivas, o prefeito Firmino Filho (PSDB) queria que 50% das emendas dos vereadores fossem destinados para a área da Saúde, mas os parlamentares queriam apenas 20%.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Jeová AlencarJeová Alencar

“Na realidade, o maior imbróglio que estava tendo era das emendas impositivas de cada vereador, onde cada um pode destinar R$ 800 mil dentro do orçamento da prefeitura e o projeto original obrigava 50% para a área da Saúde. Nós entramos em entendimento, junto com a Graça Amorim, de que poderíamos estar baixando para 20%, uma vez que o vereador tem grandes demandas, não só na saúde, mas em calçamentos, na revitalização de uma praça, de um campo e isso ficou acertado, foi votado e vai ficar em 20%”, explicou.

Outo ponto foi a não aprovação de emenda apresentada pelo vereador Joaquim do Arroz que queria retirar alguns recursos do setor de comunicação para a melhoria do transporte eficiente.

“O vereador Joaquim do Arroz colocou uma emenda onde poderia estar tirando da área da comunicação R$ 2 milhões e estar destinando aos cadeirantes para aquisição de veículos, mas infelizmente foi derrotado. A gente tem que lamentar, sabemos da labuta do dia a dia. Do sofrimento que é das pessoas, não só na mobilidade dentro da cidade, que não existe, e pior ainda dentro do transporte”, destacou o vereador.