Entretenimento

Comédia piauiense estréia hoje nos Cinemas Riverside

O filme ""Ai que vida"" é o mais novo trabalho do jornalista e cineasta Cícero Filho.

Do GP1

Fonte - -

O filme "Ai que vida" é o mais novo trabalho do jornalista e cineasta Cícero Filho, de Poção de Pedras, que hoje reside em Teresina, no Piauí, sendo esse o seu 24º projeto cinematográfico. O longa-metragem, que estréia nesta sexta-feira,dia 14 de setembro nos Cinemas Riverside (Shopping Riverside), trata de forma simples e cômica do dia-a-dia das pequenas cidades no interior do nordeste do Brasil. "Ai que vida" tem um enredo recheado de divertidas histórias que farão o espectador rir, chorar, se emocionar e também refletir sobre os valores morais das personagens. Muitos outros temas são abordados nessa proposta inovadora de fazer arte no Piauí e Maranhão. A filantropia, o caráter e a ética do ser humano, o amor, o respeito ao próximo e os valores familiares são as vertentes mais constantes durante todo o filme, porém a mais importante vertente é a "politicagem" no interior do Brasil. O projeto foi idealizado com o objetivo principal de promover a cultura do estado do Piauí e Maranhão, dando oportunidade a pessoas comuns de trabalharem com a sétima arte. O filme foi gravado nas cidades de Amarante e Teresina, no Piauí; Poção de Pedras e Esperantinópolis, no Maranhão. Os atores e os técnicos foram pessoas das próprias comunidades. "Acreditamos que assim, o resultado obtido ao final de tudo foi o mais natural possível", avalia Cícero Filho. A produção foi realizada por 10 pessoas, entre roteiristas, redatores, câmaras-man, diretor de fotografia, editores, sonoplastas. O filme foi gravado em tecnologia digital, sendo usado o que há de mais moderno em vídeo e áudio no estado. Sinopse Em meados dos anos de 1990, a fictícia cidade de Poço Fundo, no interior do Nordeste, está vivendo um verdadeiro caos em sua administração pública. O Prefeito Zé Leitão (Feliciano Popô) é um corrupto de mão cheia, capaz de tudo pelo dinheiro, seu egoísmo é a sua principal característica. Zé Leitão já governa Poço Fundo há quatro anos, mas nada fez pela cidade em seu mandato. A população não consegue enxergar as coisas ruins que o prefeito faz. São iludidos com as falsas palavras de Zé Leitão e subestimados com os "programas sociais" que são realizados em seu mandato. Visto isto, a micro-empresária Cleonice da Cruz Piedade (Antonia Catingueiro) se revolta com os absurdos administrativos de seus governantes e decide "acordar" o povo sobre a atual situação da cidade. E luta pelos direitos do seu povo e conseguirá arrastar multidões em seus claros discursos, tornando-se assim querida por toda a população da cidade. O filme também conta com uma segunda vertente: o triângulo amoroso entre Jerod (Welligton Alencar), Valdir (Rômulo Augusto) e Charleni (Irisceli Queiroz). O filme do cineasta poço-pedrense Cícero Filho tem sua estréia marcada para o mês de setembro.