Campo Maior - PI

Diocese de Campo Maior afasta padre Alcindo Saraiva Martins

A Diocese divulgou uma nota informando o afastamento e esclarecendo o caso neste sábado (24).

Nathalia Carvalho
Teresina
- atualizado

A Diocese de Campo Maior divulgou uma nota neste sábado (24) informando o afastamento do padre Alcindo Saraiva Martins, pároco da Paróquia do município de Nossa Senhora de Nazaré, após suspeita de que o sacerdote teria engravidado uma jovem e a induzido a fazer um aborto.

Segundo a nota, ainda em julho a jovem começou a frequentar a paróquia. Ela alega ter mantido um relacionamento com o padre desde então. Em conversa íntima, o padre confirmou o envolvimento, no entanto, as especulações de que ela estava grávida foram desmentidas pela Diocese. Segundo a Diocese, a jovem teria articulado a situação para manter um relacionamento com o padre.

  • Foto: Reprodução/FacebookPadre Alcindo SaraivaPadre Alcindo Saraiva

Apesar de ter sido descartada a possibilidade de gravidez e consequentemente o aborto, a diocese absteve o padre Alcindo Saraiva de todas suas funções enquanto sacerdote, ficando proibida a atuação dele em todo o território diocesano.

Confira a nota na íntegra

A Diocese de Campo Maior, tendo em vista os fatos divulgados na mídia e que envolvem a pessoa do Padre Alcindo Saraiva Martins, incardinado nesta diocese, presta os seguintes esclarecimentos:

  1. Em meados de julho deste ano, Dom Francisco de Assis, bispo diocesano, recebeu a jovem na Cúria Diocesana. Ela alegava ter possuído um relacionamento com o sacerdote e que estaria grávida. O senhor bispo então pediu que ela apresentasse provas do que havia denunciado.
  2. Em uma conversa posterior com o sacerdote, ele não nega o envolvimento, porém contestou a tese de gravidez e aborto.
  3. Dias depois, a jovem entregou ao bispo diocesano uma carta escrita e assinada por ela, afirmando que nunca esteve grávida, e que, consequentemente, não houve aborto. Na carta, ela ainda afirma ter usado a gravidez como argumento para continuar mantendo uma relação com o sacerdote.
  4. No dia 12 de agosto de 2020, considerando as graves denúncias, o atentado ao sexto mandamento e que não houve atentado à vida, o bispo diocesano determinou por meio de decreto a suspensão das funções do sacerdote como pároco da Paróquia de Nossa Senhora de Nazaré, ficando ele proibido do uso de ordens em todo o território diocesano. O decreto ainda determinou a obrigação do padre em realizar um tirocínio espiritual extra muro de pelo menos 15 dias, a apresentação do seu cronograma de acompanhamento terapêutico sob o enfoque da psicoterapia do equilíbrio emocional, a perda de suas funções como padre referencial para o Setor Juvenil da diocese, a perda da função de instrutor de disciplina acadêmica no Seminário Propedêutico Diocesano, a suspensão do ofício de chanceler, e que ficasse proibido de falar sobre o assunto.
  5. Em novo decreto publicado no dia 18 de setembro, Dom Francisco decidiu pela permanência de sua desvinculação de qualquer atividade pastoral e assessorias local ou regional, ficando ele ainda proibido de assistir ou ministrar sacramentos, participar de lives nas redes sociais, e a permanecer em silêncio público sobre o fato, bem como assumir a inteira culpa pelo desgaste a Igreja e às pessoas de boa fé. Foi-lhe autorizado o uso de ordens apenas no território da Paróquia de Nossa Senhora de Nazaré após o dia 1 de outubro e estabelecido a assinatura de um termo se comprometendo a realizar a ruptura com pessoas e fatos que provocaram vergonha e escândalo aos fiéis católicos desta Igreja Diocesana.

Conclama o bispo de Campo Maior à oração e penitência e reafirma o posicionamento desta diocese em defesa da vida. Voltemos o nosso olhar para Deus, que ao mesmo tempo é Justiça e Misericórdia.