Brasil

Fabrício Queiroz negocia delação premiada com o Ministério Público

Fontes envolvidas na investigação afirmam que o ex-assessor parlamentar quer garantias de proteção para a família.

Thais Guimarães
Teresina
- atualizado

A defesa de Fabrício Queiroz, ex-assessor parlamentar do senador Flávio Bolsonaro, está negociando com o Ministério Público do Rio de Janeiro um acordo de delação premiada. Fontes envolvidas na investigação afirmam que ele quer garantias de proteção para a família.

Segundo a CNN, Queiroz quer resguardar a esposa, Márcia Aguiar de Oliveira, e as filhas, Nathalia Mello e Evelyn Mello, todas investigadas no “esquema da rachadinha”, prática na qual funcionários de gabinetes parlamentares devolvem parte de seu salário a políticos e assessores.

O ex-assessor também quer que sua prisão seja convertida em domiciliar. A negociação ainda não foi fechada porque os promotores responsáveis pelo processo querem se certificar de que Queiroz tenha informações novas para apresentar.

Márcia, Nathalia e Evelyn, também, trabalharam no gabinete de Flávio Bolsonaro na época em que ele exercia o cargo de deputado estadual pelo Rio de Janeiro. Evelyn assumiu a vaga da irmã depois que Nathalia foi exonerada. O Ministério Público diz que a maior parte do dinheiro recebido pelas três foi depositado na mesma conta bancária que Queiroz utilizava no esquema.

Para os promotores, a possibilidade de prisão da mulher e o envolvimento das filhas no processo são fundamentais para fazer com que o ex-assessor colabore com as investigações.

Márcia Aguiar está foragida desde o dia 18 de junho, mesma data da prisão de Queiroz. A polícia já realizou buscas em 12 endereços diferentes a fim de localizá-la.