Ciência e Tecnologia

Facebook desiste de colocar propagandas no WhatsApp

A ideia era que anúncios comerciais fossem introduzidas ao WhatsApp Status; equipe do projeto teria sido desfeita.

Por  Estadão Conteúdo

O WhatsApp escapou de ser inundado de anúncios comerciais, como já acontece com Facebook e Instagram. Segundo o Wall Street Journal, o Facebook, proprietário do app de mensagens, desistiu do seu plano de colocar propagandas na plataforma. A equipe do projeto teria sido desfeita e o seu trabalho teria sido removido do código do aplicativo.

A ideia seria colocar anúncios no WhatsApp Status, a ferramenta inspirada nos Stories do Instagram. Segundo apurou o Estado, propagandas no WhatsApp Status estiveram perto de ser anunciadas no começo de 2018, mas o escândalo do vazamento de dados da Cambridge Analytica freou os planos.

Além disso, anúncios na plataforma sempre foram um ponto de discussão intensa dentro do Facebook. Jan Koum, criador do app, deixou o Facebook em 2018 por divergências sobre os rumos comerciais do serviço e as potênciais ameaças à privacidade dos usuários. Meses antes, Brian Acton, o outro cofundador do WhatsApp, também havia deixado o Facebook por razões parecidas.

Desde então, o Facebook focou suas atenções para o WhatsApp Business para tentar desenvolver um modelo de negócios pelo aplicativo, uma estratégia que ainda parece pequena diante do tamanho do serviço - atualmente são cerca de 1 bilhão de usuários ativos diariamente. O Facebook comprou o WhatsApp em 2014 por US$ 22 bilhões.

A mudança do Facebook, porém, combina com os plano de integrar Instagram, Messenger e WhatsApp em uma única plataforma. Essa super plataforma teria criptografia de ponta a ponta, o que dificulta a ação de algoritmos para colher dados e direcionar propagandas para os usuários. O WhatsApp sempre operou com criptografia de ponta a ponta, que esteve ameaçada durante o período que o Facebook planejou propagandas na plataforma.

Mais conteúdo sobre: