Lagoa do Sítio - PI

Francisco Limma diz que prefeito Antônio Ditoso não quer ficar no PT

Francisco Limma disse que a legenda não pode permitir a permanência de quem não apoiou a reeleição de Wellington.

Bárbara Rodrigues
Teresina
- atualizado

O deputado estadual Francisco Limma (PT) comentou na segunda-feira (20) sobre a possível expulsão do prefeito de Lagoa do Sítio, Antônio Ditoso, do Partido dos Trabalhadores após ele não apoiar a reeleição de Wellington Dias (PT) em 2018.

Francisco Limma disse que a legenda não pode permitir a permanência de quem não apoiou a reeleição de Wellington. “Acho que um prefeito, uma liderança, que é filiado em um partido, e que decide não votar no governador, então não é o PT [que quer a expulsão dele]”, explicou.

  • Foto: Hélio Alef/GP1Francisco LimmaFrancisco Limma

Já tinha sido aberto um processo no partido para apurar a infidelidade partidária do prefeito Antônio Ditoso nas eleições, que poderá culminar na sua expulsão, mas ele se adiantou e acabou pedindo a sua saída do PT.

“Ele mesmo disse que não quer ficar no partido, então o PT vai oficializar dentre dos trâmites normais. O processo vai tramitar na comissão de ética e pelo diretório. Na verdade foi tomada a decisão que ele não quer ficar no partido”, explicou o deputado estadual.

Infidelidade partidária

A executiva regional do PT do Piauí decidiu estender para o dia 20 de junho o prazo para que as lideranças do partido acusadas de infidelidade nas eleições de 2018, possam apresentar suas devidas defesas. Dois casos são considerados de maior gravidade podendo chegar ao extremo da expulsão, são eles: o do vice-prefeito de Paulistana Carlos de Liberato, e do prefeito de Lagoa do Sítio, Antônio Ditoso que já solicitou desligamento dos quadros do PT.