Teresina - PI

Hospital Lucídio Portella retoma atendimento ambulatorial

Serão retiradas alas de covid para que os atendimentos ambulatoriais retomem no dia 19 de outubro.

Nathalia Carvalho
Teresina

O Hospital Infantil Lucídio Portella (HILP), localizado em Teresina, vai retomar os atendimentos ambulatoriais nas especialidades prioritárias no próximo dia 19 de outubro. Para promover este retorno do atendimento à demanda reprimida e dar continuidade às obras de reforma, a unidade de teve que retirar os leitos de enfermaria da ala covid para atendimento de baixa complexidade e ceder o espaço para conseguir viabilizar também o atendimento a todas as crianças que chegam no hospital com outras doenças.

O HILP vai permanecer com o atendimento de alta complexidade para pacientes acometidos pelo novo coronavírus, mantendo seis leitos de UTI para esse fim, de acordo com os protocolos de segurança orientados pelo CRM-PI, Diretoria de Vigilância Sanitária Estadual (DIVISA) e Planos de Retomada da Saúde do Programa Pro-Piauí Governo de Estado. A decisão do Gabinete Gestor do HILP foi comunicada à Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) e à Fundação Municipal de Saúde (FMS).

  • Foto: Lucas Dias/GP1Hospital Infantil Lucídio PortelaHospital Infantil Lucídio Portela

Segundo o diretor do HILP, Vinicius Pontes, o Brasil vive um novo momento da pandemia em que se faz necessária a retomada dos outros atendimentos na saúde. “Devemos manter a prioridade quanto ao atendimento Covid, mas temos o dever de voltar a dar resolutividade à população que ficou desassistida nesses seis meses, tanto em atendimentos clínicos e cirúrgicos, quando uma ala cirúrgica ficou parada por meses”, afirma o diretor. Ele enfatiza ainda que essa retomada de atendimento ambulatorial e cirurgias eletivas também é uma recomendação do Ministério Público e CRM-PI.

O diretor afirma que durante os meses de julho, agosto e setembro a taxa de ocupação dos leitos Covid do Hospital Infantil não passou de 50% e vem reduzindo ainda mais. “Com essa consistente redução de taxas de ocupação da Ala Covid, se faz necessário dar continuidade à reforma do hospital e voltar aos atendimentos eletivos que ficaram parados durante meses”, diz Vinicius.

As obras de ampliação e adequação estrutural, elétrica, hidráulica e sanitárias do HILP foram iniciadas em meio à pandemia. “Era uma demanda antiga, que possuía projeto, mas não financiamento. Conseguimos aprovação e tudo necessário para dar início. As obras começaram em áreas desocupadas do HILP como o prédio da antiga lavanderia e a área livre vizinha à UTI pediátrica”, diz. Após dois meses, a reforma avançou para áreas de enfermaria clínicas, enquanto a área de enfermarias Cirúrgicas virava Ala Covid, de acesso restrito.

De acordo com o diretor, com as áreas Covid, houve a redução de enfermarias clínicas e diminuição de oferta de leitos à Regulação Estadual. “Mesmo assim, a ala de leitos clínicos também tem recebido pacientes das diversas especialidades cirúrgicas que são regulados pelo sistema regulador estadual.

Reforma

A reforma do Hospital Infantil segue com o funcionamento de todos os setores da unidade de saúde. Está em fase de conclusão no andar superior do HILP, cinco enfermarias de retaguarda para Rede de Urgência e Emergência, mais unidades de gestão de enfermagem, psicologia, fisioterapia, agência transfusional e repousos para profissionais. Este andar está em fase de acabamento, mas parcialmente funcionando.

De seis enfermarias clínicas uma está em fase de conclusão, as outras cinco estão com reformas concluídas e funcionando, de acordo com as regras da RDC 50, climatizadas e todas com banheiros. “Os banheiros eram uma das grandes deficiências do HILP, porque havia apenas três banheiros para sete enfermarias clínicas. Agora vai ser diferente”, diz Vinicius. Na obra, duas enfermarias clínicas foram adaptadas para funcionarem como UTI provisória, pois a obra de ampliação da UTI avança e necessita esvaziar a área da UTI antiga.