Jatobá do Piauí - PI

Ministério Público pede a perda do mandato do prefeito José Carlos

A ação foi ajuizada pelo promotor Maurício Gomes de Souza, no dia 28 de fevereiro, na 2ª Vara da Comarca de Campo Maior.

Wanessa Gommes
Teresina
- atualizado

O Ministério Público do Estado ajuizou, no dia 28 de fevereiro, na 2ª Vara da Comarca de Campo Maior, ação civil de improbidade administrativa contra o prefeito de Jatobá do Piauí, José Carlos Gomes Bandeira, por irregularidades na contratação do escritório João Azedo e Brasileiro Sociedade de Advogados. Na ação, é pedida a perda do mandato do prefeito.

Segundo o promotor de Justiça, Maurício Gomes de Souza, o prefeito contratou o referido escritório para a prestação de serviços advocatícios visando o recebimento dos valores decorrentes de diferenças do FUNDEF pela subestimação do valor mínimo anual por aluno (VMAA), previsto na Lei.

  • Foto: Facebook/APPMPrefeito José CarlosPrefeito José Carlos

Conforme acertado na cláusula sétima do contrato, os contratantes ajustaram, a título de risco, que o valor dos honorários advocatícios será a quantia equivalente a 15% do montante auferido com a execução do objeto do presente contrato.

Consta ainda que o prefeito manteve em vigor o contrato com o referido escritório de advocacia, via inexigibilidade de licitação, baseado pela “singularidade dos serviços prestados”.

Em 27 de março de 2018, o MP expediu recomendação para anulação do contrato por entender inexistir singularidade no serviço contratado sob pena de atentar contra o princípio da legalidade, eficiência e moralidade.

No entanto, o prefeito não acatou a recomendação ministerial, mantendo em vigor o contrato celebrado violando os princípios da legalidade, moralidade e eficiência.

“Os princípios da eficiência e da moralidade foram igualmente aviltados, na medida em que a estrutura administrativa do Município de Jatobá do Piauí, há tempos, já dispõe do cargo de Assessor Jurídico, criado pela Lei nº 209/2009, cuja atribuição é realizar consultoria e assessoria jurídica para administração daquele município”, afirmou o promotor.

Ao final, o membro do MP pede o recebimento da denúncia, a designação de audiência de conciliação a fim de se discutir eventual TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) e a condenação do prefeito ao ressarcimento integral do dano, se houver, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração recebida pelo prefeito e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos.

Outro lado

O prefeito José Carlos não foi localizado pelo GP1. Já o escritório João Azêdo ficou de dar um posicionamento, o que não aconteceu até a publicação desta matéria.