Economia e Negócios

Petrobras aumenta preço da gasolina pela terceira vez no mês

Reajuste acompanha avanço na cotação do petróleo, após cortes na produção de alguns países e ao relaxamento de medidas de isolamento contra o coronavírus na Europa e nos Estados Unidos.

Por  Estadão Conteúdo
- atualizado

A Petrobras informou às distribuidoras nesta quarta-feira, 20, que vai aumentar a gasolina em 12% a partir de quinta-feira, 21, seguindo a recuperação do preço do petróleo no mercado internacional. Esse é o terceiro aumento no mês, os outros foram feitos nos dias 7 e 14. Com isso, só em maio o combustível já teve alta de 37,47%.

De acordo com a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), o aumento será de R$ 0,1350 por litro.

Os reajustes ocorrem após o preço do petróleo tipo Brent, referência internacional, ter avançado cerca de 40% em maio, reagindo a cortes de produção de grandes produtores e a um relaxamento de medidas de isolamento contra o coronavírus em países da Europa e nos Estados Unidos, o que chega com a promessa de reativação da economia nesses lugares.

Ainda assim, os valores da gasolina da Petrobrás neste ano ainda acumulam queda de 34%, depois de o mercado de petróleo ter sofrido fortemente com uma desaceleração da economia global, diante de impactos da pandemia. O recuo acumulado do Brent neste ano é de aproximadamente 47%.

Esta semana, a Petrobrás não alterou o valor do diesel, que havia sido elevado na terça-feira, 12, em 8%, na primeira alta aplicada ao combustível pela petroleira neste ano. No caso do diesel —um produto sensível aos caminhoneiros, categoria que costuma apoiar o presidente da República Jair Bolsonaro— a queda acumulada no ano é de cerca de 40%.

O reajuste no preço da gasolina agrada a importadores e ao setor de etanol, que reivindica aumento no valor da gasolina para reduzir as perdas com as vendas observadas desde o início da pandemia, quando o combustível fóssil caiu cerca de 5% nos postos de abastecimento.

Depois de ter sido cotado abaixo dos US$ 20 o barril em meados de abril, o petróleo iniciou na semana passada uma escalada de alta, motivado pela volta de algumas economias após meses de retração decorrente da pandemia do coronavírus.

Nesta quarta, o petróleo tipo Brent para os contratos de julho tinha alta de 2,91%, cotado a US$ 35,66 o barril, por volta das 14h.

Mais conteúdo sobre: