GP1

Teresina - PI

Jornal Nacional repercute interdição da Maternidade Evangelina Rosa

A unidade de saúde tem 60 dias para resolver os problemas apontados pelo CRM-PI em um relatório técnico feito na última fiscalização.

A situação da Maternidade Evangelina Rosa repercutiu no Jornal Nacional em uma reportagem exibida, na noite desta quarta-feira (21). O Conselho Regional de Medicina (CRM-PI) decidiu promover uma interdição ética na maternidade, que está proibida de receber pacientes de baixa e média complexidade.

Na reportagem veiculada, foi mostrada a situação de um médico, que precisou utilizar sacos plásticos para poder realizar o parto de uma paciente soropositiva. Outra situação mostrada foi a de uma mulher que está com 40 semanas de gravidez e que viajou mais de 130 km para fazer a última consulta do pré-natal, porém saiu sem a garantia de ter o bebê na maternidade.

  • Foto: Divulgação/ AscomInterdição da Maternidade Evangelina RosaInterdição da Maternidade Evangelina Rosa

A unidade de saúde tem 60 dias para resolver os problemas apontados pelo conselho em um relatório técnico feito na última fiscalização. Os problemas principais apontados são a superlotação, falta de insumos, de antibióticos, dentre outros materiais.

De acordo com o conselho, essa foi a forma encontrada para que a maternidade procure resolver os graves problemas existentes na unidade. De janeiro a outubro foram registradas mais 200 mortes no local. Só em setembro, 14 recém-nascidos morreram e em outubro, 29.

NOTÍCIA RELACIONADA

CRM interdita Maternidade Dona Evangelina Rosa por 60 dias

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.