GP1

Regeneração - Piauí

Prefeito de Regeneração contrata empresa investigada pela PF

O contrato foi assinado pelo Seu Dua no dia 13 de outubro de 2021 e vale até 31 de dezembro de 2021.

O prefeito de Regeneração, Eduardo Alves Carvalho, mais conhecido como Seu Dua (PSD), contratou uma empresa investigada pela Polícia Federal (PRF), por mais de R$ 333 mil para aquisição de materiais odontológicos.

A empresa Distrimed Comércio e Representações LTDA, localizada na Avenida Odilon Araújo, no bairro Piçarra, zona sul de Teresina, foi contratada pelo valor de R$ 333.408,40 (trezentos e trinta e três mil, quatrocentos e oito reais e quarenta centavos), para fornecimento de materiais odontológicos para atender as necessidades do município de Regeneração.

Foto: Reprodução/FacebookSeu Dua
Seu Dua

Como fonte de recursos foram utilizados o FPM, FMS, Conta Movimento e outros.

O contrato foi assinado pelo Seu Dua no dia 13 de outubro de 2021 e vale até 31 de dezembro de 2021. O extrato do contrato foi publicado no Diário Oficial dos Municípios (DOM) do dia 20 de outubro de 2021.

Confira o extrato do contrato

Foto: Reprodução/DOMExtrato do contrato da Prefeitura de Regeneração com a Distrimed
Extrato do contrato da Prefeitura de Regeneração com a Distrimed

Empresa é alvo de investigação da PF

A Distrimed é muito conhecida das páginas policiais, tendo sido uma das empresas denunciadas à Justiça no âmbito da “Operação Gangrena” deflagrada pela Polícia Federal, em novembro de 2012, para desarticular um esquema especializado em desvio de recursos públicos do SUS, descentralizados para a Secretaria de Saúde do Estado do Piauí.

Ela também foi alvo da Operação Caligo, deflagrada em agosto de 2020 pela Polícia Federal, acusada de superfaturamento em processos de dispensa de licitação para compra de equipamentos para enfrentamentos da covid-19. Ainda de acordo com a superintendente, foram calculados 419% de superfaturamento.

Impedida de contratar com o Governo do Estado

De acordo com o site do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI), a empresa Distrimed está proibida de contratar com os órgãos estaduais, tendo conseguido na Justiça liminar autorizando a contratar com o poder público municipal.

Operação Caligo

A Polícia Federal, em conjunto com a Controladoria Geral da União, deflagrou em agosto de 2020, a "Operação Caligo", com objetivo de cumprir 10 mandados de busca e apreensão em Teresina expedidos pela 3ª Vara da Justiça Federal no Piauí.

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina foi um dos alvos da operação à época, além das empresas Distrimed, que distribui medicamentos e a Fermaq, que comercializa Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

De acordo com o superintendente da Controladoria Geral da União, Glauco Soares Ferreira, a empresa Distrimed teve lucro bruto entre 56% e 419% nos materiais vendidos para a FMS. O lucro permitido para esse tipo de mercadoria hospitalar deve girar em torno de 30%.

“Fizemos análises das notas fiscais das empresas e identificamos a comparação entre o volume que entrou no estoque da empresa era incompatível com o volume que ela tinha fornecido à FMS. Esse preço acima do preço pelo qual a empresa adquiriu esses produtos, houve uma variação de lucro bruto entre 56% e 419%”, continuou Glauco.

“A praxe desse mercado do produto que foi fornecido, gira em torno de 30% de lucro, conforme o decreto que estipula o percentual de 30% de ICMS. O preço praticado nesse tipo de mercadoria relacionado a saúde gira em torno de 30%, sendo que o menor lucro bruto que verificamos foi de 56%”, finalizou.

Outro lado

O prefeito não foi localizado pelo GP1.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.