GP1

Teresina - Piauí

Delegacia da Criança assume caso de bebê venezuelana que morreu em Teresina

A Delegacia assumiu o caso da bebê venezuelana morta com suspeita de maus-tratos nesta sexta-feira (12).

A Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA) assumiu o caso da bebê venezuelana, Heilin Perez, de apenas 9 meses, morta nesta sexta-feira (12), após dar entrada no Hospital do Buenos Aires com suspeita de ter sofrido maus-tratos.

Em entrevista ao GP1, o gerente executivo da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), André Santos, afirmou que a mãe da criança, H.D.V, 13 anos, e a avó, Maria Perez, 41 anos, foram ouvidas e o caso foi encaminhado à DPCA.

De acordo com a nota divulgada pela Semcaspi na sexta-feira, a mãe da bebê e a avó, são acusadas de maus-tratos. Ambas foram levadas pela Polícia Militar do Piauí à Central de Flagrantes de Teresina, onde foram acompanhadas da Gerência de Direitos Humanos e também pela equipe do I Conselho Tutelar.

Relembre o caso

A bebê Heilin Perez deu entrada no Hospital do Buenos Aires, nesta sexta-feira (12), com hematomas e bastante debilitada, apresentando quadro de falta de ar. A bebê não resisitu e morreu no mesmo dia.

Conforme a Semcaspi, tanto a bebê venezuelana como as familiares dela moravam em Belém (PA) e chegaram a Teresina no dia 3 de novembro deste ano, data em que a criança chegou já bastante debilitada ao Centro Social Urbano (CSU) do Buenos Aires. Após a chegada, os familiares foram orientados a buscar cuidados médicos, porém optaram por um tratamento religioso.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.