GP1

Teresina - Piauí

Allisson Wattson vai a júri 4 anos depois da morte de Camilla Abreu

O julgamento vai acontecer no Plenário do 2º Tribunal do Júri da Comarca de Teresina em setembro.

A juíza Maria Zilnar Coutinho Leal, da 2ª Vara do Tribunal Popular do Júri de Teresina, marcou para o dia 1º de setembro deste ano, às 8 horas, o Júri Popular do ex-capitão da Polícia Militar do Piauí, Allisson Wattson, acusado de matar a estudante de direito, Camilla Abreu, em 2017.

O julgamento vai acontecer no Plenário do 2º Tribunal do Júri da Comarca de Teresina quase 4 anos depois do crime. As testemunhas arroladas pelas partes deverão comparecer perante o juízo para fins de inquirição.

Foto: Reprodução/InstagramAllisson Wattson
Allisson Wattson

Ao reanalisar a situação prisional do ex-capitão, a magistrada decidiu mantê-lo preso por estarem presentes os requisitos e pressupostos legais autorizadores de sua segregação cautelar, tais como demonstrado na decisão que pronunciou o acusado, como medida necessária ao resguardo da ordem pública e da instrução em plenário do Júri.

“Com efeito, existem indícios suficientes da autoria atribuída ao acusado quanto aos delitos descritos na denúncia, além de que existem fatos que demonstram que a soltura do acusado seria de grande prejuízo à instrução em plenário do Júri, visto o modo como o crime foi praticado, bem como o intuito do acusado de atrapalhar a investigação”, argumentou a juíza.

Relembre o caso

A estudante de direito, Camilla Abreu, desapareceu no dia 26 de outubro de 2017. Ela foi vista pela última vez em um bar no bairro Morada do Sol, zona leste de Teresina, acompanhada do namorado e então capitão da PM, Allisson Wattson. O capitão ficou incomunicável durante dois dias, retornando apenas no sábado (28) e afirmou não saber do paradeiro do jovem.

A Delegacia de Homicídios, coordenada pelo delegado Barêtta, assumiu as investigações. No dia 31 de outubro, a Polícia Civil confirmou a morte da jovem. Já na parte da tarde, Allisson foi preso e indicou onde estava o corpo da estudante.

Foto: Facebook/Camilla AbreuCamilla Abreu
Camilla Abreu

Na manhã de 1º de novembro, o corpo da estudante foi enterrado sob forte comoção no cemitério São Judas Tadeu. No laudo cadavérico, foi concluído que a jovem foi arrastada antes de morrer.

O capitão virou réu na Justiça depois que a juíza de direito Maria Zilmar Coutinho Leal, da 2º Vara do Tribunal do Júri, recebeu denúncia do Ministério Público. Em abril, a juíza pronunciou o capitão para ir a julgamento pelo Júri Popular.

Expulsão

No dia 4 de fevereiro de 2019, o Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Piauí (TJ-PI) decidiu, por unanimidade, pela expulsão do capitão Allisson Wattson da Silva Nascimento, dos quadros da Polícia Militar.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.