GP1

Teresina - Piauí

Servidores denunciam que prédio do Lacen está infestado de fungos

A Sesapi informou por meio de nota que tem um projeto para reformar o prédio do Lacen.

Divulgação/Ascom 1 / 9 Situação do Lacen Situação do Lacen
Divulgação/Ascom 2 / 9 SINDESPI denuncia péssimas condições do Lacen SINDESPI denuncia péssimas condições do Lacen
Divulgação/Ascom 3 / 9 Cômodo do Lacen Cômodo do Lacen
Divulgação/Ascom 4 / 9 Teto ameaçando desabar no Laboratório Central do Piauí Teto ameaçando desabar no Laboratório Central do Piauí
Divulgação/Ascom 5 / 9 Infiltrações no teto do Lacen Infiltrações no teto do Lacen
Divulgação/Ascom 6 / 9 Situação das paredes do Lacen Situação das paredes do Lacen
Divulgação/Ascom 7 / 9 Péssimas condições do Laboratório Central do Piauí Péssimas condições do Laboratório Central do Piauí
Divulgação/Ascom 8 / 9 Paredes do Lacen estão em péssimas condições Paredes do Lacen estão em péssimas condições
Divulgação/Ascom 9 / 9 SINDESPI reclama da situação do Laboratório Central do Piauí SINDESPI reclama da situação do Laboratório Central do Piauí

Servidores que trabalham no Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) denunciaram péssimas condições no prédio do laboratório, no centro de Teresina. Conforme a denúncia, as paredes do local estão infestadas de fungos, faltam insumos para a realização de testes e os próprios servidores precisam comprar insumos básicos como papel higiênico e copos descartáveis.

O Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde Pública do Piauí (Sindespi) recebeu a denúncia e verificou as irregularidades no Lacen. Conforme a presidente do sindicato, Geane Sousa, o Lacen está “jogado às traças”.

“O Lacen está jogado às traças, é triste o descaso do Governo. Nós recebemos essa denúncia de que o Laboratório Central do Piauí, que é um laboratório de referência, está em condições precárias. Os fungos estão tomando de conta do laboratório, que está cheio de mofo. Essa é a situação do Lacen”, afirmou a presidente do sindicato.

“Não se sabe nem quando foi feita a última sanitização no local. Fomos lá e constatamos que essa é a situação real do principal laboratório de análise do Estado, ainda mais no meio de uma pandemia, realizando uma enorme quantidade de exames de Covid-19. Além da falta materiais básicos, insumos, copos descartáveis, papel toalha, temos que cobrar do governo melhores condições para o Lacen”, finalizou Geane Sousa.

Vistoria

Após as denúncias a presidente do sindicato se reuniu com o secretário de Saúde Florentino Neto, que solicitou uma vistoria no local. Na terça-feira (31) Geane acompanhou a equipe composta por dois assessores da Secretaria de Estado de Saúde (Sesapi). Os profissionais fizeram um relatório com os problemas para repassar para a Sesapi.

“Fomos ao Lacen e lá verificamos as condições precárias que o SINDESPI denunciou. O Coronel Jorge pediu que o diretor administrativo do Lacen fizesse um relatório de todos os problemas. E com relação aos kits que estavam faltando, que se fosse por pendências de licitação, a SESAPI já ia providenciar para resolver. Com esse relatório eles vão identificar os casos mais críticos para poder resolver e ir solucionando os mais pontuais”, disse Geane.

O que diz a Sesapi

A Sesapi informou por meio de nota que tem um projeto para reformar o prédio do Lacen, mas que as obras foram adiadas devido a pandemia da covid-19. O órgão informou ainda que os problemas acontecem em cômodos específicos e não interferem na capacidade produtiva do órgão.

Confira a nota na íntegra

A Secretaria de Estado de Saúde tem pronto um projeto para ampla reforma do Lacen. No entanto, por conta da pandemia, onde o Laboratório Central tem desempenhado papel importante, as obras foram adiadas. As imagens em questão se referem a cômodos específicos do prédio e que nada interferem na capacidade produtiva do órgão, que teve a sua carga de trabalho ampliada e realizou de março de 2020 para cá quase 348 mil exames para detectar o vírus Sars-Cov-2.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.