GP1

Teresina - Piauí

Cachorro que viralizou em vídeo já vivia na rua, diz delegado Emir Maia

O animal já foi localizado pela polícia, adotado por uma tutora e ganhou o nome de Amor.

O delegado Emir Maia afirmou, na manhã desta segunda-feira (17), que o cachorro que viralizou em um vídeo nas redes sociais, no último final de semana, correndo atrás de um carro já vivia em situação de rua e que não foi abandonado naquele dia. O animal já foi localizado e está com uma tutora.

Segundo Maia, que é titular da Delegacia do Meio Ambiente, a polícia tomou conhecimento de que, na verdade, o cachorro já vivia nas ruas e que era, inclusive, alimentado por moradores da região onde vivia.

Foto: Alef Leão/GP1Emir Martins
Emir Martins

“Nesta manhã tomamos conhecimento que o cachorro já vivia em situação de rua há muito tempo e quem gravou o vídeo não gravou nenhuma imagem onde o condutor ou eventual passageiro do veículo esteja abandonando o cão, o cão aparece ao lado do carro e em ato contínuo seguindo o carro e essa informação veio para gente de que o cachorro era acolhido por moradores na Rua Coelho de Resende”, relatou o delegado.

O delegado Emir Maira contou ainda que o condutor do carro é motorista de aplicativo e que estava fazendo apenas uma corrida. “Duas moradores desembarcaram desse carro e depois retornaram ao veículo porque esqueceram bolsas e outros pertences pessoais e o cachorro, equivocadamente, passou a seguir o veículo porque viu que seus acolhedores estavam no interior do carro que era de um motorista de aplicativo”, destacou.

Foto: Alef Leão/GP1Cachorro foi resgatado
Cachorro foi resgatado

“Essa informação nos veio agora de forma que causou uma reviravolta nas investigações, mas de forma satisfatória porque não temos nenhum agressor identificado como proprietário ou condutor do veículo Logan, temos um abandono pretérito, mas não sabemos quem o abandonou”, completou Emir Maia.

A polícia instaurou inquérito que deve ser concluído em 30 dias, segundo o delegado, que reforçou a importância do cuidado ao disseminar informações e vídeos nas redes sociais. “Instauramos inquérito para apurar o caso, a perícia já veio e fez exame de corpo de delito do cachorro, todas essas pessoas serão ouvidas, vamos intimar o condutor do veículo que é motorista de aplicativo e no prazo legal de 30 dias esse inquérito será remetido à Justiça. Por isso é muito importante ter cautela ao disseminar vídeos e também prudência na investigação para não imputar um fato criminoso a quem quer que seja maculando sua honra e inclusive na sua integridade física e moral”, concluiu Emir Maia.

Mulher negou abandono

Juliana Alves, que era a mulher que estava dentro do carro, negou que o cachorro tenha sido abandonado por ela. Segundo Juliana, ela e outros vizinhos são acostumados a alimentar os animais que vivem nas ruas e que esse cachorro sempre fica na frente da sua casa.

Foto: Alef Leão/GP1Juliana Alves
Juliana Alves

“Esse cachorro já é um animal que já estava abandonado há vários dias na região onde eu moro e ele sempre era alimentado por mim e os vizinhos, lá tem vários animais abandonados e sempre botamos comida e água para todos. As pessoas não têm como levá-lo para casa, mas a gente alimenta e ele fica na porta da minha casa todo o tempo. Ele me viu entrando no carro de aplicativo e seguiu o carro, mas o motorista não tem nada a ver, eu estava inclusive com minha mãe comprando ração para alimentá-los”, declarou Juliana.

Protetora adotou cachorro

Foto: Alef Leão/GP1Cleude Maria
Cleude Maria

Cleude Maria, que participa de um grupo de proteção animal que ajuda animais de rua, vai adotar o cachorro que ela chamou de "Amor". “Como o caso dele está no judiciário, sou depositaria fiel dele, ninguém pode tirar ele tão cedo lá de casa e espero que ele seja morador fixo lá de casa. Tenho dois animais e espero que ele se acostume aos outros. Ele é a cara do meu antigo cachorro, Oliver, que virou estrelinha”, afirmou.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.