Fechar
GP1

Teresina - Piauí

“Só temos a agradecer”, diz João Vicente sobre desempenho em pesquisa

Na pesquisa do Instituto Amostragem divulgada hoje, o ex-senador apareceu em terceiro lugar com 5%.

O ex-senador João Vicente Claudino (PSDB) comemorou o resultado da pesquisa estimulada do Instituto Amostragem para a Prefeitura de Teresina, divulgada nesta quinta-feira (28). Conforme levantamento, JVC apareceu em terceiro lugar com 5%, ficando atrás somente do médico Sílvio Mendes (União Brasil) que se manteve em primeiro com 44,7%, seguido pelo petista Fábio Novo com 32,8%, que ficou em segundo.

O resultado foi visto como extremamente positivo, tendo em vista que o ex-senador ainda não colocou, de fato, a pré-candidatura nas ruas, já que neste primeiro momento, está focado na construção da chapa proporcional da federação PSDB e Cidadania.

Foto: Lucas Dias/GP1Ex-senador da República, João Vicente Claudino
Ex-senador da República, João Vicente Claudino

“O resultado da pesquisa nos anima bastante porque nós estamos focados, neste primeiro momento, somente na organização da chapa de pré-candidatos a vereadores da federação. Portanto, ainda não colocamos, de fato, a nossa pré-candidatura a prefeito nas ruas, com agendas definidas. Mesmo assim, fomos lembrados por uma parcela considerável dos eleitorais, só temos a agradecer”, comemorou o ex-senador em conversa com o GP1.


A pesquisa

O Instituto Amostragem divulgou, nesta quinta-feira (28), pesquisa estimulada de intenção de votos para prefeito de Teresina. Nesse levantamento, o pré-candidato Sílvio Mendes (União Brasil) aparece em primeiro lugar com 44,7%, seguido pelo petista Fábio Novo com 32,8%.

O ex-senador João Vicente Claudino (PSDB) ficou em terceiro lugar com 5%, posteriormente apareceu o Professor Tonny (Novo) com 4,5% à frente do atual prefeito Dr. Pessoa (Republicanos) que ficou com 3,7%.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2024 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.