GP1

Piauí

Professores da Uespi entram em acordo e greve pode terminar dia 15

A professora Rosângela Assunção, presidente da Adecespi, afirmou que as propostas feitas pelo governo serão repassadas para os docentes e caso sejam aceitas, a greve pode ter um possível fim.

Nesta sexta-feira (12), foi realizada uma audiência de reconciliação entre o Governo do Estado e a Associação de Docentes da Universidade Estadual do Piauí (Adecespi) para tratar sobre as reivindicações da categoria docente.

O Governo do Estado, representado pelo secretário de Governo, Osmar Júnior, cedeu em alguns pontos reivindicados pela categoria docente, entre eles a nomeação de forma imediata de nove classificados no último concurso.

Em entrevista ao GP1, a professora Rosângela Assunção, presidente da Adecespi, afirmou que as propostas feitas pelo governo serão repassadas para os docentes e caso sejam aceitas, a greve pode ter um fim na próxima segunda-feira (15). “Ainda vou levar a proposta para a categoria e aí vamos ver se os professores avaliam positivamente, então caso aceitem depois de segunda-feira (15), posso afirmar o fim da greve, então vamos ter uma assembleia para discutir isso, as propostas e a continuidade da greve”, informou a professora.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Rosângela AssunçãoRosângela Assunção

Demandas dos alunos

Conforme o aluno do curso de Direito da instituição e um dos representantes do movimento Ocupa Uespi, Kaytson Miranda, a principal pauta defendida pelos discentes é a autonomia financeira da Uespi.

“A principal pauta defendida é a autonomia financeira da universidade, porque sem a autonomia a instituição fica dependendo do governo para sobreviver, que é o que está acontecendo no momento, também defendemos os concursos para professores, devido aos cursos que estão fechando. Queremos melhorias na estrutura, por causa dos tetos caindo, alunos sem laboratório, que dificulta o andamento do curso. A assistência estudantil está entre as reivindicações, o aumento da bolsa trabalho e auxílio moradia”, pontuou.

Quase um mês de greve

Professores da Uespi deflagraram o início da greve na manhã da segunda-feira, 18 de março, em todos os campi da instituição. A greve já dura 25 dias. Já as portas do Palácio Pirajá foram fechadas por manifestantes uma semana depois.

10 pontos de melhorias

Na reunião, os professores presentes aceitaram assinar 10 pontos de melhorias na Uespi, que deverão ser cumpridos de acordo com o calendário definido no encontro.

Confira os pontos:

-Implementar progressões de regime de trabalho de forma retroativa até dezembro de 2018;

-Implementar progressões de regime de trabalho para 2019 de acordo com a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal);

-Contratar professores temporários;

-Regularizar pagamento de bolsas estudantis;

Criar comissão para discutir a possibilidade de autonomia financeira e administrativa da Uespi;

-Buscar a liberação de recursos para questões emergenciais;

-Respeitando o limite prudencial, prorrogar a validade do último concurso para professor;

-Analisar a possibilidade de um novo concurso público;

-Negociação marcada para 7 de junho para tratar sobre reposição dos vencimentos dos docentes;

-Novo calendário acadêmico sem consequências salarial aos servidores.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Professores da UESPI deflagram greve por tempo indeterminado

Manifestantes fecham as portas do Palácio Pirajá em protesto na Uespi

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.