GP1

Política

'Este incidente está superado', diz Mourão sobre declaração de Gilmar Mendes

Vice-presidente volta a afirmar que ministro do STF 'errou' ao associar Exército a 'genocídio', mas dá o caso como encerrado.
Por Estadão Conteúdo

“Vida que segue”, disse nesta sexta-feira, 17, o vice-presidente Hamilton Mourão sobre a declaração do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de que o Exército está se associando a um “genocídio”, ao se referir à crise sanitária no Brasil. “Eu acho que o ministro errou, mas considero que este incidente está superado”, disse o vice à Rádio Gaúcha.

Durante a semana, Mourão havia cobrado uma retratação de Gilmar: "Se ele tiver grandeza moral, tem de se desculpar". Na terça-feira, 14, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, acionou um artigo da Lei de Segurança Nacional sobre em representação à Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ministro. No dia seguinte, em um gesto para apaziguar os ânimos, Gilmar falou por telefone com o ministro interino da Saúde, o general Eduardo Pazuello.

Questionado na entrevista sobre a pandemia do novo coronavírus no Brasil, que ontem ultrapassou o patamar de 2 milhões de infectados, Mourão elogiou o Sistema Único de Saúde (SUS). “O nosso sistema público de saúde vem dando conta disso. Então é uma grande vitória do SUS e de todos os profissionais que o construíram e que trabalham nele ”, disse Mourão.

Como revelou o Estadão, Eduardo Pazuello tem sido orientado a ir para reserva caso queira continuar como interino na Saúde ou deixar o cargo se a opção for permanecer como militar da ativa. “A decisão de manter ou não o Pazuello é do presidente (Jair Bolsonaro), disse Mourão.

Meio ambiente

Sob pressão de investidores estrangeiros e empresários brasileiros, Mourão destacou a importância da agenda ambiental para o governo. “A coisa é muito clara. O nosso governo sabe muito bem que a agenda ambiental e a questão da sustentabilidade são temas muito caros ao século 21”, disse o vice. “O governo sabe das suas responsabilidades em manter funcionando plenamente a nossa legislação, o nosso código florestal, que é o mais adiantado do mundo. Nós temos mais de 60% do País com a cobertura vegetal intacta, ou seja, nós somos um exemplo. Mas, infelizmente, desde 2012 para cá, ocorreu um aumento do desmatamento na Amazônia, ano passado esse desmatamento atingiu um nível maior ainda, então compete a nós tomarmos as medidas repressivas necessárias para impedir que isso continue a ocorrer”.

Na área econômica, o vice-presidente Hamilton Mourão falou sobre a discussão em torno da criação de um imposto sobre transações financeiras. Para o vice, “deve ter um fundamento muito claro”.

“O ministro Paulo Guedes (Economia) hoje coloca como um substituto da desoneração da folha. Ao desonerar a folha, haveria uma oportunidade muito maior da criação de empregos formais. Eu ainda vejo mais além, que um imposto dessa natureza ele pode ser também utilizado para reforçar o programa de renda mínima, o Renda Brasil, que vem sendo montado pelo governo”, disse Mourão, destacando que a “discussão é dentro do Congresso”.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Lula diz que Gilmar Mendes estava certo em críticas contra Exército

Pazuello oferece a Gilmar Mendes acesso a dados sobre pandemia

Bolsonaro defende Pazuello após críticas de Gilmar Mendes: ‘predestinado’

Ministro da Defesa ingressa com representação na PGR contra Gilmar Mendes

Gilmar Mendes deve desculpas se tiver 'grandeza moral', diz Mourão

Mourão: Gilmar Mendes ultrapassou limite ao associar Exército a genocídio

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.