Polícia

Polícia prende acusado de participar da morte de Ozires Machado

A prisão se deu em cumprimento ao mandado de prisão preventiva. José foi preso no Parque São Jorge, zona sul de Teresina.

RAISA BRITO

- atualizado

A Delegacia de Homicídios prendeu, na tarde desta terça-feira (03), José Rodrigues Oliveira Neto, vulgo “Palito”, acusado de envolvimento no latrocínio (roubo seguido de morte) contra o advogado Ozires de Castro Machado Neto. A ação foi comandada pelo delegado Danúbio Dias.

A prisão se deu em cumprimento ao mandado de prisão preventiva. José foi preso no Parque São Jorge, zona sul de Teresina.

  • Foto: Divulgação/PC-PIJosé Rodrigues de Oliveira NetoJosé Rodrigues de Oliveira Neto

José é acusado de ser o responsável pela logística do crime, sendo incumbido de deixar os autores do crime em locais para prática de roubos, realizando o suporte para concretização dos atos e fuga.

Além disso, o acusado já foi preso no ano de 2005 pela prática de homicídio ocorrido no Parque São Jorge, zona sul de Teresina.

A Delegacia de Homicídios disponibiliza o número 181 para denúncias anônimas sobre autoria e localização de acusados de homicídio.

O acusado de atirar no advogado já está preso.

Relembre o caso

Ozires Machado, de 28 anos, assessor de um juiz do Maranhão, foi alvejado com um tiro na cabeça na zona sul de Teresina na segunda-feira, dia 11 de setembro. O rapaz era sobrinho do ex-prefeito de Cabeceiras, José Ozires.

  • Foto: Reprodução/FacebookOzires Machado NetoOzires Machado Neto

Ele ainda foi encaminhado ao Hospital de Urgência de Teresina, mas morreu na terça-feira, 12 de setembro, após uma parada cardiorrespiratória, provocada por um traumatismo craniano. Uma câmera de segurança flagrou a ação dos bandidos e o momento que Ozires tentou escapar do assalto.

Francinaldo dos Santos Batista foi preso três dias depois pela Delegacia de Homicídios.

O delegado Barêtta afirmou que o Francivaldo confessou o crime. Neném foi quem fez o disparo contra o advogado ao tentar roubar o celular da vítima, que acabou reagindo a ação dos bandidos.

Em vídeo divulgado pela Polícia Civil, Francinaldo dá detalhes do latrocínio. Ele confirma ter usado a arma para atirar no chão, mas alega que seu comparsa, que está foragido, foi quem efetuou o disparo que matou o advogado.

  • Foto: Divulgação/Polícia CivilFrancinaldo dos Santos, o NenémFrancinaldo dos Santos, o Neném

A prisão preventiva de Francinaldo foi decretada pelo juiz Arilton Rosal Falcão Júnior, responsável pela Audiência de Custódia, no dia 15 de setembro.

MAIS NA WEB