GP1

Brasil

"Respeitei o sigilo das vítimas", diz Adnet sobre caso Marcius Melhem

Humorista falou sobre apoio que teria prestado nos bastidores após acusações de assédio sexual e moral ao ex-chefe do humor na Globo.
Por Estadão Conteúdo

Marcelo Adnet usou seu Twitter para comentar novas informações que vieram a público a respeito das acusações de assédio sexual e moral envolvendo Marcius Melhem, publicadas nesta sexta-feira, 4, pela revista Piauí.

No relato, consta que Adnet teria se solidarizado com algumas das vítimas, que incluiriam sua ex-esposa, Dani Calabresa, mesmo sem ter dado declarações enérgicas em relação ao caso quando questionado em entrevistas ou redes sociais. "Fiz o mínimo, agi e respeitei totalmente o sigilo que as vítimas pediram. A história é muito pesada e traumática para os envolvidos", afirmou.

Em outro tuíte, Adnet comentou: " Pô, tua amiga te conta um negócio e pede sigilo. Serei leal a ela. Não vou expor a história dela contra sua vontade". Em resposta a um seguidor, ressaltou: "Não fui líder, apenas aliado".

A publicação afirma ter colhido depoimento de 43 pessoas, entre vítimas e testemunhas, muitas das quais na condição de anonimato. Entre os relatos, há detalhes dos supostos assédios que teriam sido praticados por Melhem e relatados ao compliance da emissora.

Também há relatos de medidas que teriam sido tomadas por funcionários da Globo em relação à situação, como uma sugestão de que Marcius Melhem fizesse terapia após uma acusação.

Em março, a Globo emitiu um comunicado informando o afastamento de Marcius Melhem de sua função durante quatro meses por questões pessoais. Já em agosto, foi anunciado o desligamento de Melhem da emissora.

No comunicado final, a Globo destacou a "parceria de 17 anos de sucessos" e a "importante contribuição para a renovação do humor nas diversas plataformas da empresa". A ausência de comentários sobre as acusações de assédio teria gerado indignação em um grupo de artistas.

Uma carta chegou a ser enviada para Carlos Henrique Schroder, diretor de Criação e Produção de Conteúdo da Globo, assinada por diversas pessoas, sem mencionar o nome de Melhem, mas falando sobre "recentes acontecimentos no núcleo do humor" e propondo "criar um ambiente de trabalho saudável, transparente e digno para todas e todos", já que "muitos sofrem diariamente e precisam de apoio para debater junto à empresa novas medidas e mecanismos que garantam um ambiente de trabalho onde haja respeito e segurança".

O texto foi enviado a Schroder justamente por uma conta de e-mail de Marcelo Adnet, com cópia para a advogada Mayra Cotta, que cuida de um grupo de pessoas que alegam terem sido vítimas.

O e-mail teria sido enviado no mesmo dia em que Adnet participou do Roda Viva, ocasião em que foi questionado sobre as acusações de Marcius Melhem, o que gerou críticas por diversos usuários de redes sociais por sua resposta.

Em entrevista ao Estadão em 2 de novembro, Marcelo Adnet foi questionado se poderia falar sobre as acusações contra Marcius Melhem. "Prefiro não dar dealhes, porque estaria expondo as vítimas, mas presto todo meu apoio e solidariedade a elas", respondeu, na ocasião.

O Estadão buscou contato com a assessoria da Globo em relação às novas informações divulgadas pela revista, mas não recebeu retorno até a publicação desta reportagem.

A advogada Mayra Cotta também foi contatada, mas não trouxe novas declarações. Questionada se as acusações de assédio foram levadas à Justiça, informou: "Até onde sabemos, não há inquérito penal tramitando. Somente a investigação interna da compliance [da Globo]".

Marcius Melhem se pronunciou sobre as acusações de assédio pela primeira vez em 25 de outubro. "Mesmo abraçando profissionalmente a causa feminista, ainda combato o machismo dentro de mim, erro, posso ter relações que magoem", disse, à época.

Em carta enviada à Piauí, Melhem falou novamente sobre o caso nesta semana. Confira a íntegra abaixo:

"Quando recebi as perguntas da revista piauí, percebi que a sentença já estava dada. Então, nada que eu diga sobre fatos distorcidos ou cenas que jamais ocorreram vai mudar esse perfil construído de abusador, quase psicopata.

Qualquer pessoa que tenha convivido comigo sabe que eu jamais cometeria algum ato de violência e que nunca forcei ninguém a nada. Mas parece que o único objetivo está sendo bem-sucedido: a minha condenação na opinião pública.

Quero pedir desculpas a pessoas que eu magoei, mas sequer tive o direito de saber quem são elas. O mundo mudou, comportamentos antes naturais estão sendo revistos, e todos precisamos aceitar as consequências de nossos excessos.

Venho há um ano trabalhando esse entendimento e estou disposto a assumir qualquer erro ou dano que tenha causado. Mas é preciso que a conversa seja transparente, sem omissões, mentiras ou distorções sobre as relações. É o que eu vou buscar: justiça."

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.