GP1

Brasil

Cantor Leonardo lamenta morte de assessor por tiro acidental

Nilton Rodrigues foi atingido nesta quinta-feira, 4, na fazenda do cantor, em Goiás.
Por Estadão Conteúdo

Nilton Rodrigues, 60, assessor e amigo pessoal do cantor Leonardo, morreu baleado nesta quinta-feira, 4. O tiro acidental aconteceu na fazenda Talismã, que pertence ao artista e fica em Jussara, no noroeste de Goiás. Passim, como era conhecido, trabalhava com o sertanejo há 30 anos.

A informação sobre o disparo de uma arma de fogo foi confirmada pela assessoria de imprensa do cantor, que também afirmou que o disparo que atingiu Nilton foi acidental.

Nas redes sociais, Leonardo lamentou a morte do amigo. “Perdi meu primo-irmão, amigo, companheiro e parceiro de todas as horas (...) Estamos sem chão, uma dor que pensava nunca mais sentir na vida. Deus meu Pai, nos ajude a aceitar seu propósito e abençõe nossa família e amigos (...) Ajude todos que não estão conseguindo acreditar nessa terrível tragédia”, escreveu nesta sexta-feira, 5.

A esposa do cantor, Poliana Rocha, também homenageou Nilton. “Você sempre será uma das pessoas mais importantes e amadas por mim e minha família. Com você a vida era leve, o riso era fácil, o sono mais tranquilo, proteção diária, companheirismo constante”.

“Você sempre me encorajava (...) me dizia: ‘eu cuido do meu companheiro (Léo) e você vai a luta'. E agora? Como faremos com o vazio que você deixou? Seu amigo aqui [Leonardo] ficou sem chão (...) Até sempre, meu amigo! Esteja onde você estiver, jamais vou te esquecer”, escreveu Poliana.

Zé Felipe, um dos filhos do artista, compartilhou um vídeo com Passim. Nas imagens, ele pede “Faz um favor, não morre nunca?” e Nilton responde: “Nunca”. Zé retruca: “Se você morrer, eu desenterro você e ponho em pé de novo”. Na legenda da publicação, ele lamentou: “Não dá para acreditar”.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.