GP1

Mundo

Talibã proíbe protestos e slogans e ameaça ‘severas consequências’

A proibição formal de quarta segue-se a confrontos violentos entre combatentes do Talibã e manifestantes.
Por Estadão Conteúdo

O Talibã agiu para apertar ainda mais sua repressão aos protestos crescentes contra seu governo, banindo qualquer manifestação que não tenha aprovação oficial tanto para passeatas em si quanto para quaisquer slogans que possam ser usados.

No primeiro decreto emitido pelo novo ministério do interior do grupo islâmico linha-dura, liderado por Sirajuddin Haqqani, que tem ligação próxima com a Al-Qaeda e é procurado pelos Estados Unidos sob acusações de terrorismo, o Talibã alertou os oponentes que eles devem obter permissão antes de qualquer protesto ou enfrentar "graves consequências legais'”.

A proibição formal de quarta-feira segue-se a confrontos violentos entre combatentes do Talibã e manifestantes em várias cidades desde que o grupo assumiu o poder, com mulheres muitas vezes na linha de frente dos protestos.

Na capital, Cabul, uma pequena manifestação foi rapidamente dispersada por seguranças armados do Taleban, enquanto a mídia afegã relatou que um protesto na cidade de Faizabad, no nordeste do país, também foi interrompido.

Centenas de pessoas protestaram na terça-feira, tanto na capital quanto na cidade de Herat, onde duas pessoas no local da manifestação foram mortas a tiros.

A medida segue outros sinais de que o novo gabinete provisório exclusivamente masculino do Afeganistão — composto inteiramente de partidários do Talibã — está se afastando rapidamente das promessas anteriores de moderação e inclusão.

Em outra indicação do agravamento da situação para os direitos humanos, outra figura importante do Taleban disse na quarta-feira que as mulheres afegãs, incluindo o time feminino de críquete do país, serão proibidas de praticar esportes.

A proibição foi anunciada enquanto a comunidade internacional respondia com cautela ao novo governo do Talibã. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, fez eco a outras figuras internacionais ao dizer que o gabinete provisório afegão não era o governo inclusivo que o Taleban havia prometido e que o grupo islâmico precisa ganhar a legitimidade internacional e o apoio que busca.

Blinken, que fez seus comentários ao lado do ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas, durante uma visita a uma base aérea dos EUA na Alemanha que tem sido um ponto de trânsito para retirados do Afeganistão, também pediu ao Taleban que permita voos fretados que transportem americanos e afegãos em risco para sair do país.

Maas e Blinken haviam presidido uma reunião virtual com cerca de 20 nações que apóiam os esforços dos EUA para pressionar o Taleban a cooperar na passagem livre de estrangeiros e afegãos que desejam partir.

Uma autoridade dos EUA disse mais tarde que as autoridades do Taleban concordaram em permitir que 200 civis americanos e cidadãos de outrs países que permaneceram no país partissem em voos alugados do aeroporto de Cabul, informou a Reuters.

As partidas eram esperadas para esta quinta-feira. O oficial, falando sob condição de anonimato, não pôde dizer se os 200 estavam entre as pessoas presas por dias em Mazar-i-Sharif.

Maas disse que a composição do novo governo “não era o sinal para mais cooperação internacional e estabilidade no país. Deve ficar claro para o Taleban que o isolamento internacional não é do seu interesse, e especialmente do povo do Afeganistão”.

A UE também criticou o novo governo por sua falta de inclusão, dizendo que não honrou a promessa dos novos governantes de incluir diferentes grupos.

“Após uma análise inicial dos nomes anunciados, não parece uma formação inclusiva e representativa em termos da rica diversidade étnica e religiosa do Afeganistão que esperávamos ver e que o Taleban prometeu nas últimas semanas”, disse um porta-voz da UE .

A proibição do protesto se junta a outros sinais recentes perigosos de que o Taleban tem pouco interesse em adotar uma linha mais branda em questões de direitos das mulheres à liberdade de expressão do que durante seu período anterior no poder, que foi marcado por um governo que perseguia mulheres e silenciava opositores.

O ex-presidente afegão Ashraf Ghani, que fugiu de Cabul quando as forças do Taleban chegaram aos arredores da cidade no mês passado, se desculpou na quarta-feira pela queda abrupta de seu governo, mas negou que tenha levado milhões de dólares com ele.

Em um comunicado postado no Twitter, Ghani disse que saiu por insistência de sua equipe de segurança, que disse que se ele ficasse correria o risco de sofrer “as mesmas execuções que a cidade viu durante a guerra civil de 1990 ”.

“Sair de Cabul foi a decisão mais difícil da minha vida, mas eu acreditava que era a única maneira de silenciar as armas e salvar Cabul e seus 6 milhões de cidadãos”, disse ele.

A declaração lembra uma mensagem que Ghani enviou dos Emirados Árabes Unidos logo após sua saída, que atraiu críticas de ex-aliados que o acusaram de traição.

Ghani, um ex-funcionário do Banco Mundial que se tornou presidente depois de duas eleições disputadas marcadas por alegações generalizadas de fraude em ambos os lados, mais uma vez rejeitou os relatos de que havia saído com milhões de dólares em dinheiro como "completa e categoricamente falsos".

“A corrupção é uma praga que aleijou nosso país por décadas e o combate à corrupção tem sido o foco central de meus esforços como presidente”, disse ele, acrescentando que ele e sua esposa libanesa eram “cuidadodoso com nossas finanças pessoais”.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.