Política

Bolsonaro pede que Senado siga voto da Câmara sobre redução de ministérios

Medida provisória aprovada por deputados reduziu número de ministérios, mas tirou Coaf do Ministério da Justiça.

Por  Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro pediu nesta quinta-feira, 23, que o Senadoa prove o texto da medida provisória que reduziu o número de ministérios do jeito que passou pela Câmara. Em transmissão ao vivo pelo Facebook, o presidente disse que era preciso “tocar o barco”.

“No meu entender deve votar (no Senado) o que foi aprovado na Câmara. O parlamento tem legitimidade para mudar essas questões”, afirmou o presidente. Ele minimizou a retirada do Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça, considerada uma derrota para o governo. “Continua no Executivo”, disse. O órgão voltará à alçada do Ministério da Economia.

  • Foto: Fátima Meira/Futura Press/Estadão ConteúdoJair BolsonaroJair Bolsonaro

O pedido de Bolsonaro ocorreu horas após o líder do governo no Senado, Major Olímpio (PSL-SP), afirmar que apresentará uma emenda para que o Coaf fique sob o controle do ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Há uma preocupação no Palácio do Planalto de que a MP perca a validade e o governo tenha que voltar à estrutura que existia no governo de Michel Temer, com 29 ministérios. Isso porque, caso haja qualquer emenda no Senado, o texto terá de passar por nova votação na Câmara. O prazo para que a medida seja aprovada é o dia 3 de junho. Bolsonaro disse que não tem controle sobre a bancada do seu partido, mas que faria um apelo para que não atrapalhassem a aprovação.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou que fará um apelo aos líderes partidários para que não mexam no texto votado na Câmara e arrisquem fazer o governo perder a reforma administrativa. “A gente acaba correndo um risco de, a partir de um destaque em relação à qualquer item, cometer uma injustiça com o governo que tem a legitimidade de fazer a sua estrutura da forma como veio escrito na redação da MP”, disse Alcolumbre.

NOTÍCIA RELACIONADA

Câmara dos Deputados aprova redução de ministérios de Bolsonaro