Coronavírus no Piauí

Covid-19: governador Wellington Dias avalia abrir parte do comércio

O chefe do executivo estadual afirmou que vai avaliar, em reunião ampla com o Comitê de Organização Emergencial (COE), sobre a possibilidade de alguns setores públicos e privados voltarem a funcionar.

Andressa Martins
Teresina
Thais Guimarães
Teresina
- atualizado

Em entrevista coletiva virtual na tarde desta quinta-feira (26) o governador do Piauí, Wellington Dias (PT) disse que na próxima segunda-feira (30) vai avaliar, em reunião ampla com o Comitê de Organização Emergencial (COE), sobre a possibilidade de alguns setores públicos e privados voltarem a funcionar durante a pandemia de coronavírus (covid-19). Wellington destacou que com proteção adequada, alguns trabalhadores poderão retornar aos postos de trabalho.

O decreto do governador é válido até terça-feira (31) e na segunda-feira, antes do vencimento, o chefe do executivo estadual vai avaliar as medidas adotadas até então, para assim estabelecer um novo decreto, que poderá determinar a manutenção ou a suspensão das normas que restringiram o funcionamento de escolas, indústrias, na parte do comércio relacionada a construção civil, dentre outras áreas.

“Se eu tenho uma pessoa na obra da construção civil trabalhando bem protegida, ela pode funcionar do mesmo jeito de um comércio, do mesmo jeito de uma outra área de serviço, como salão de beleza, por exemplo. Estou discutindo com muita responsabilidade com a equipe técnica e a resposta é sim. Havendo segurança no passo que vamos dar, vamos dar. Eu quero trabalhar. A prioridade é a vida, a partir daí a economia”, afirmou.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Wellington Dias Wellington Dias

Segurança

Wellington citou que todos os secretários estaduais de Saúde estão reunidos e que vão avaliar a curva para decidir se poderá abrir parte do comércio. A decisão ocorrerá de acordo com o número de infectados confirmados e cenário para os próximos dias.

“O que nós precisamos é de segurança. Em tese, todo mundo tem que pegar coronavírus e isso vai levar um tempo muito maior para que a gente tenha a condição de ter anticorpos no corpo de cada um. Por que o cuidado com os idosos? Porque eles mesmo na primeira vez que pega, já é um risco maior. O que quero dizer é que estou pedindo à área técnica para saber como está essa curva e fazer a perspectiva”, continuou.

Menos casos que o previsto

De acordo com o governador, o primeiro cenário trabalhado pela equipe é que até dia 25 de março o Piauí teria 120 casos confirmados, precisando assim de 500 UTIs. O Piauí, no entanto, só contava com 110. Até o momento, o número já aumentou e o estado possui 220 leitos de UTI. Apesar da projeção, por conta do confinamento decretado pelo estado, são apenas 8 casos de coronavírus confirmados no estado.

“Hoje temos uma situação de razoável conforto, claro que não podemos ficar de sapato alto. O que estamos melhorando também? As ações protetivas. Por que funciona hospital? Porque lá tem EPI, tem luva, máscara. Por que funciona banco? Se tiver máscara, luva, você tem boa proteção. E assim farmácias e supermercados”, seguiu.

Equipamentos de proteção

O gestor destacou que a primeira etapa do confinamento foi feita porque o estado não contava com equipamentos de proteção para todo mundo. A partir daí diversas empresas iniciaram a confecção do material.

“Por que a gente não poderia colocar todo mundo? Por que não tínhamos máscaras, álcool gel para todo mundo. O que nós vamos avaliar é que assim como áreas podem funcionar com medidas protetivas, outras podem. Segunda-feira, de acordo com o que acontecer até domingo, podemos ampliar as áreas que podem funcionar”, finalizou o governador.

Esclarecimento

O governador voltou a se pronunciar após a entrevista coletiva virtual, por meio de um vídeo em suas redes sociais, esclarecendo que “até segunda, permanecem todas as regras”.

Wellington Dias explicou que na segunda (31), será realizada uma reunião ampla para avaliar as medidas de contenção adotadas até o momento para evitar a propagação do coronavírus, e se já é possível liberar o funcionamento de algum setor (público ou privado), como escolas, indústrias e algumas áreas comerciais.

“Daqui até segunda-feira não muda nada, até segunda-feira nós temos os decretos, as orientações, e todas elas permanecem. Na segunda-feira é que nós vamos avaliar o quadro, reunir o COE, Comitê de Organização Emergencial, que vai estar tratando desse tema do coronavírus, e terá uma reunião ampliada onde vamos avaliar a situação do Piauí e a partir daí tomar decisões, porque os decretos vigoram até terça-feira e nós temos que tratar de modificações ou não”, declarou.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Com ruas desertas devido a covid-19, bandidos arrombam comércios em Teresina

Em pronunciamento, Jair Bolsonaro pede abertura do comércio

Presidente da CNI defende 'volta gradual' do comércio e produção industrial