Amarante - PI

Empresa recebeu mais de R$ 1 milhão da Prefeitura de Amarante, diz Gaeco

A operação foi denominada de “Cartão Vermelho” porque envolve um esquema de contratos suspeitos com uso de recursos públicos para o fornecimento de combustível.

Gil Sobreira
Teresina
Wanessa Gommes
Teresina
- atualizado

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), do Ministério Público do Estado do Piauí, com o auxílio da Polícia Civil, deflagrou na manhã desta quarta-feira (09), a operação "Operação Cartão Vermelho" e cumpriu mandados de busca e apreensão nas cidades de Teresina, Valença do Piauí e Amarante, incluindo a residência do prefeito de Amarante, Diego Teixeira.

A operação foi denominada de “Cartão Vermelho” porque envolve um esquema de contratos suspeitos com uso de recursos públicos para o fornecimento de combustível.

Os principais alvos da operação foram a Prefeitura Municipal de Amarante, o escritório de advocacia Marcos André Lima Ramos, localizado na zona leste de Teresina, e a empresa Green Card Administradora de Crédito Eireli, da qual o advogado foi sócio.

Empresa pertencia a advogado que era assessor do município

A Green Card prestava serviços de gerenciamento do abastecimento de combustíveis dos veículos da prefeitura e foi contratada através de adesão a ata de registro de preços da Prefeitura de Lagoinha do Piauí e posteriormente da Prefeitura de Regeneração.

No período de janeiro a dezembro de 2017, mesmo exercendo a assessoria e consultoria jurídica, contratado através de procedimento de inexigibilidade, o advogado utilizou de expediente para obter vantagem em procedimento licitatório, já que a empresa de sua propriedade, a Green Card Administradora de Crédito, foi contratada pela municipalidade.

Os contratos foram assinados pelo advogado, que era, ao mesmo tempo, titular da empresa e assessor jurídico da prefeitura.

Empresa recebeu mais de R$ 1 milhão em 2017

No exercício de 2017, a Prefeitura de Amarante empenhou R$ 1.385.224,95 (Um milhão trezentos e oitenta e cinco reais, duzentos e vinte e quatro reais e noventa e cinco centavos) e pagou R$ 1.163.059,96 (um milhão cento e sessenta e três mil, cinquenta e nove reais e noventa e seis centavos) em favor da Green Card Administradora de Crédito Eireli.

Já o advogado teve empenhado, no exercício, o valor de R$ 96.000,00, (noventa e seis mil reais), e recebeu pagamentos no montante de R$ 56 mil.

Outro lado

Procurado nesta tarde o prefeito não foi localizado para comentar a denúncia em relação à empresa Green Card Administradora de Crédito. No entanto, mais cedo, ele divulgou um vídeo de esclarecimento sobre a “Operação Cartão Vermelho”, afirmando que não se surpreende com a operação porque já passou por uma situação parecida nas eleições municipais de 2016 e comprovou posteriormente na justiça que era inocente. Ele ainda afirmou que está colaborando com a polícia.

Diego Teixeira também explicou que entende o papel da polícia ao investigar as denúncias, mas ressaltou que não existe nada de errado na sua gestão. “A polícia está no papel dela de realmente investigar e trazer à tona todos os fatos, que no final nós vamos mostrar pra população que não existe nada de errado no nosso município. Fiquem tranquilos”, finalizou.

O advogado Marcos André Lima Ramos também divulgou nota de esclarecimento, através do Escritório de Advocacia Dr. Marcos André Lima Ramos - Sociedade de Advogados, alegando que em 20 anos de atuação nunca foi alvo de denúncia ou investigação que “maculasse a sua reputação, trabalhando sempre pautado em princípios éticos e morais”.

Nenhum representante da empresa Green Card foi localizado pelo GP1.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Advogado Marcos André Lima diz que escritório trabalha com ética

"Não existe nada de errado no nosso município", diz Diego Teixeira

Operação Cartão Vermelho: advogados são investigados por desvio de dinheiro

GAECO cumpre mandados na residência do prefeito Diego Teixeira