Coronavírus no Piauí

Empresário Arthur Feitosa diz que economia vai demorar décadas para se recuperar

Arthur Feitosa disse que nem o prefeito Firmino Filho (PSDB), nem o governador Wellington Dias (PT) estão preocupados com os empresários que geram empregos e impostos.

Andressa Martins
Teresina
Germana Chaves
Teresina
- atualizado

Em entrevista ao GP1 nesta sexta-feira (22) o empresário Arthur Feitosa, presidente do Movimento Empreender Piauí (Move), disse que está “indignado” com a prorrogação dos decretos que impõe o fechamento das atividades comerciais no Piauí por conta da pandemia do novo coronavírus (covid-19). O empresário disse que a economia vai demorar décadas para se recuperar.

Arthur Feitosa disse que nem o prefeito Firmino Filho (PSDB), nem o governador Wellington Dias (PT) estão preocupados com os empresários que geram empregos e impostos.

  • Foto: DivulgaçãoArthur Feitosa Arthur Feitosa

“Eles não têm a menor preocupação com quem produz, com quem gera emprego e com quem gera impostos. Eles só estão preocupados em prolongar o máximo possível essa pandemia, criando mortos, comprando covas a dois mil reais, comprando respiradores no Rio de Janeiro de empresas fundo de quintal, que não tem condições de entregar coisa nenhuma, alugando grades para impedir a livre circulação das pessoas por um preço exorbitante”, afirmou.

“Irrecuperável”

O empresário avaliou ainda que a economia vai demorar décadas para se recuperar após o isolamento social imposto no Piauí.

“Vejo com muita preocupação o prolongamento. Toda semana agora. A quarentena passou para cinquentena, sessentena, setentena e daqui a pouco vamos perder o ano todo. O que estamos perdendo agora, vamos passar duas ou três décadas para recuperar. É irrecuperável o que esses dois cidadãos, o Firmino e Wellington estão fazendo com o Piauí e Teresina”, destacou.

Antecipação de feriados

Arthur disse que é necessário ser cauteloso com o vírus, mas acredita que não pode ficar indefinidamente com as atividades do estado paradas. “Está provado que há meios de fazer a convivência do combate, que defendemos que tem que ser rigoroso, o combate à covid-19, mas não podemos ficar indefinidamente com as atividades do estado paradas como está ocorrendo agora”, disse.

“De quinze em quinze dias se prorroga, se antecipa feriados, um absurdo. Queria que eles divulgassem o de calendários de feriados deles para eu saber quando é o Natal, se é próxima sexta-feira”, ironizou.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Jivago Castro diz que isolamento social está arrebentando a economia

Saiba quais serviços continuarão suspensos com novo decreto de Wellington