Teresina - PI

Greco prende servidores da Semar e empresários em Teresina

Os alvos da operação são servidores públicos da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado do Piauí.

Bárbara Rodrigues
Teresina
Brunno Suênio
Teresina
- atualizado

Greco prende servidores da Semar e empresários em operação

O Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) está realizando na manhã dessa quinta-feira (30) a operação "Natureza" que tem como alvo servidores públicos da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado do Piauí (Semar) e empresários. O superintendente da Semar, Carlos Moura Fé, os empresários César Moura Fé, Tiago Junqueira e um servidor público identificado apenas como Fabrício, estão entre os presos. A funcionária da Semar Daniela Melo, braço direito do superintendente Calos Moura Fé, foi presa em Brasília.

Estão sendo cumpridos 10 mandados de busca e apreensão e 7 mandados de prisão temporária nas cidades de Teresina, Regeneração, Guadalupe e em Brasília, no Distrito Federal. A juíza Júnia Maria Feitosa Bezerra Fialho, titular da 4ª Vara Criminal de Teresina, foi quem expediu os mandados.

“Foram cumpridos 10 mandados de busca e sete de prisão temporária, sendo seis já cumpridos. Tem um que ainda não conseguimos localizar, que está em outro estado [Distrito Federal]. Operação do Greco foi realizada com várias unidades especializadas na capital. O objetivo é combater a corrupção, mais especificamente a ativa e passiva, lavagem de dinheiro, advocacia administrativa e crimes ambientais. Alguns mandados foram cumpridos na sede da secretaria estadual de Meio Ambiente, mas na coletiva às 11h vamos dar todo o detalhamento da operação. Existe uma série de delitos, alguns eram rotineiros e outros não”, explicou o delegado e coordenador do Greco, Willame Moraes.

A operação “Natureza” tem como objetivo prender agentes públicos e empresários que cometeram crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, associação criminosa, advocacia administrativa, além de crimes ambientais. A polícia estima que as irregularidades ocorrem desde 2012 e que o prejuízo é de R$ 3.129.236,04 milhões.

Segundo informações da Polícia Civil, em 2015 foi iniciada uma investigação após a Polícia Federal receber uma denúncia anônima e que posteriormente foi encaminhada ao Greco, onde relatava sobre ilícitos praticados por servidores da Semar que teriam desviado recursos públicos na emissão de licenças ambientais de forma irregular, uso irregular de bens, dentre outras irregularidades.

A operação contou como o apoio operacional da Diretoria de Inteligência da SSP e Polícia Civil (DINT), Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), Divisão de Operações Especiais (DOE), Delegacia de Repressão a Crimes de Internet (DRCI), Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), 4º Distrito Policial, Polícia Civil do Distrito Federal, 25º Batalhão do Exército Brasileiro e Tribunal de Contas do Estado.

Veja nota na íntegra da Secretaria de Segurança

A Secretaria de Segurança Pública e a Polícia Civil do Estado do Piauí, através do Grupo de Repressão ao Crime Organizado – GRECO, comunicam que na data de hoje (30.08.2018), foi deflagrada a Operação NATUREZA que teve por objetivo prender agentes públicos e empresários que cometeram crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, associação criminosa, advocacia administrativa, além de crimes ambientais.

Foram expedidos pela Dra. Júnia Maria Feitosa Bezerra Fialho, titular da 4ª Vara Criminal de Teresina, 10 (dez) mandados de busca e apreensão e 7 (sete) mandados de Prisão Temporária que foram cumpridos em Teresina-PI, Regeneração-PI, Guadalupe-PI e Brasília-DF.

As investigações foram iniciadas em 2015, por meio de uma denúncia anônima feita à Polícia Federal e, posteriormente encaminhada ao GRECO, visando a apuração de ilícitos praticados por servidores da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado do Piauí (SEMAR-PI), tais como desvio de verbas públicas, o uso irregular de bens públicos, emissão de licenças ambientais de forma irregular, dentre outros.

As ações dos investigados ocorrem desde 2012 e o valor estimado de prejuízo à Administração Pública é de R$ 3.129.236,04 (três milhões, cento e vinte e nove mil, duzentos e trinta e seis reais e quatro centavos).

A operação contou como o apoio operacional da Diretoria de Inteligência da SSP e Polícia Civil (DINT), Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), Divisão de Operações Especiais (DOE), Delegacia de Repressão a Crimes de Internet (DRCI), Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), 4º Distrito Policial, Polícia Civil do Distrito Federal, 25º Batalhão do Exército Brasileiro e Tribunal de Contas do Estado.

O Delegado Geral de Polícia Civil, Riedel Batista e o coordenador do GRECO, Willame Moraes, receberão a imprensa hoje (30.08), às 11h00min, na sede da Delegacia Geral de Polícia Civil, para fornecer maiores detalhes sobre a Operação.

Teresina-PI, 30 de agosto de 2018