Política

Grupo de Michel Temer movimentou R$ 1,8 bilhão em propinas, diz MPF

José Augusto Vagos, procurador regional da República, disse que o pedido de prisão de Temer foi embasado na garantia da ordem pública.

Wanessa Gommes
Teresina
- atualizado

O procurador da República Sérgio Pinel afirmou, nesta quinta-feira (21), que o grupo do ex-presidente Michel Temer movimentou R$ 1,8 bilhão em propinas ao longo dos anos. Há indícios de que as propinas estavam sendo pagas até hoje. As informações são do Estadão.

Temer e o ex-ministro Moreira Franco foram presos, nesta manhã, na Operação Radioatividade, da Lava Jato,que apurou crimes de formação de cartel e prévio ajustamento de licitações, além do pagamento de propina a empregados da Eletronuclear.

  • Foto: Aloisio Mauricio/Fotoarena/Estadão ConteúdoMichel TemerMichel Temer

José Augusto Vagos, procurador regional da República, disse que o pedido de prisão de Temer foi embasado na garantia da ordem pública, pois havia destruição de provas na Argeplan para impedir investigações. "São evidências muito fortes que geraram esses pedidos de prisões", afirmou.

Ele citou ainda Eduardo Cunha, Geddel Vieira Lima e Rocha Loures como membros da organização criminosa que atua há 40 anos.

Até o momento foram presos: Michel Temer, João Baptista Lima Filho, Welington Moreira Franco, Maria Rita Fratezi, Carlos Alberto Costa, Carlos Alberto Costa Filho, Carlos Jose Zimmermann, Rodrigo Neves e Vanderlei de Natale.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

‘Michel Temer é o líder da organização criminosa’, diz juiz Bretas

Ex-presidente Michel Temer é preso na Operação Lava Jato