Coivaras - PI

Juíza condena tio à prisão por estupro contra a sobrinha no Piauí

A sentença da juíza de direito da Vara Única de Corrente, Andrea Parente Lobão Veras, foi dada em 15 de novembro deste ano.

Raisa Brito
Teresina
- atualizado

A juíza de direito da Vara Única de Corrente, Andrea Parente Lobão Veras, condenou Thiago Rodrigues Brito de Carvalho a 10 anos de prisão por estupro de vulnerável contra a própria sobrinha de 9 anos. A sentença foi dada em 15 de novembro deste ano.

Segundo a denúncia, no dia 09 de setembro de 2017, por volta das 10h30min, o denunciado tentou manter conjunção carnal com a sobrinha, mediante violência, não havendo consumado o ato por circunstâncias alheias à sua vontade, pois fora surpreendido pela mãe da criança, quando se encontrava com as calças abaixadas, havendo também abaixado a roupa da menor.

  • Foto: Divulgação/Polícia CivilThiago Rodrigues Brito de Carvalho Thiago Rodrigues Brito de Carvalho

A defesa pediu a absolvição por ausência de provas. Sustentou que o réu, preso há 53 dias, é portador de bons antecedentes, não tentou fugir e que, inclusive, foi preso em seu local de trabalho. Ressaltou que a prova é pífia e que o exame pericial não constata vestígios de crime, sendo a denúncia desprovida de valor.

A magistrada julgou procedente a ação e condenou o acusado a 10 anos de reclusão, em regime fechado. Considerando que o réu permaneceu preso durante toda a instrução, a juíza manteve sua custódia preventiva.

Prisão

Thiago foi preso, no dia 21 de setembro deste ano, no bairro Ilhotas, em Teresina, acusado de estuprar a sobrinha em Coivaras.

Segundo informações do delegado Wilon Gomes, a mãe da criança pediu que ela fosse à casa da tia, que é sua vizinha, na cidade de Coivaras, a 68 km de Teresina, pegar um carregador de celular. “Após ter um pressentimento, a mãe foi atrás da criança e a encontrou nua ao lado do tio, que também estava sem roupa. Após alarmar os vizinhos, o acusado se evadiu do local”, disse o delegado.

Após o fato, a mãe procurou a delegacia de polícia, que tomou seu depoimento juntamente com o da vítima e dos vizinhos que escutaram os gritos da mãe, em seguida, o delegado representou pela Prisão Preventiva do acusado para a Juíza da Comarca de Altos.