Polícia

Justiça nega liberdade ao empresário Pablo Henrique Campos

A defesa do empresário Pablo Campos pedia a substituição da prisão preventiva por medidas cautelares diversas.

Gil Sobreira
Teresina
- atualizado

O juiz Antônio Reis de Jesus Nolleto, da 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri, negou pedido de liberdade provisória feito pela defesa do empresário Pablo Henrique Campos Santos, acusado de feminicídio contra Vanessa Carvalho e de tentativa de feminicídio da então namorada Anuxa Kelly, em razão de um atropelamento na saída de uma festa de casamento, ocorrido no último dia 29 de setembro, na Avenida Homero Castelo Branco, zona leste de Teresina. A defesa pedia a substituição da prisão preventiva por medidas cautelares diversas.

Na decisão, dada no início da tarde de hoje, o juiz afirma que a manutenção da prisão preventiva encontra fundamento na garantia da ordem pública, “tendo em vista a gravidade concreta do fato, a motivação do crime, bem como a comprovada reiteração delitiva, que evidenciam a periculosidade do agente”.

  • Foto: Reprodução/FacebookJustiça nega liberdade ao empresário Pablo Henrique CamposJustiça nega liberdade ao empresário Pablo Henrique Campos

O magistrado enumera os processos que o empresário responde na Justiça Estadual, sendo um deles também praticado no contexto de violência doméstica contra sua antiga companheira.

“Desse modo, a manutenção da prisão opera-se de maneira justificada tendo em vista a gravidade concreta do crime e circunstâncias do fato, evidenciadas pela motivação e modus operandi do delito, que demonstram a periculosidade do agente, bem como a existência de risco à ordem pública”, diz a decisão.

O juiz ressalta que o fato de possuir condições favoráveis, tais como: primariedade, bons antecedentes, ter residência fixa e ocupação lícita, não são suficientes para descaracterizar a necessidade prisão, já que as circunstancias devem ser analisada como um todo.

“No presente caso, a substituição da prisão do acusado por cautelares não é medida que se impõe, uma vez que não houve alteração das circunstâncias que ensejaram o decreto prisional, bem como não se verificou quaisquer irregularidades no referido ato processual capaz de ensejar o relaxamento de sua segregação provisória”, afirma.

Ao finalizar, Antonio Nolleto repisa que a prisão preventiva do empresário foi decretada com base em requisitos legais autorizadores, no caso os artigos 312 e 313 do Código de Processo Penal.

O crime

A enfermeira Vanessa Carvalho morreu e sua amiga, Anuxa Kelly Leite de Alencar, ficou gravemente ferida após as duas serem atropeladas por um Jeep Renegade, na madrugada de 29 de setembro de 2019, por volta de 4h30, na Avenida Homero Castelo Branco, zona leste de Teresina.

O suspeito do crime trata-se do empresário Pablo Henrique Campos Santos, namorado de Anuxa, que acabou sendo preso horas depois, em casa. No dia seguinte, o juiz Valdemir Ferreira Santos, converteu em preventiva a prisão em flagrante do empresário durante audiência de custódia realizada no Fórum Cível e Criminal de Teresina. Atualmente, ele está preso na Cadeia Pública de Altos, onde aguarda o andamento do processo.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

MP é contra pedido de liberdade feito pela defesa de Pablo Campos

Pai de Vanessa Carvalho lamenta pedido de liberdade de Pablo Campos

Defesa de Pablo Campos entra com pedido de liberdade provisória