Mundo

Maduro diz que está disposto a convocar eleições legislativas

Presidente venezuelano não detalhou se eventuais eleições teriam acompanhamento de entidades internacionais ou o que aconteceria com os mandatos dos atuais parlamentares.

Por  Estadão Conteúdo

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou estar disposto a organizar eleições legislativas antecipadas e a manter um diálogo com a oposição, que deve sair às ruas nesta quarta-feira, 30, em resposta a uma convocação do presidente autoproclamado do país, Juan Guaidó, que pediu mais sanções à União Europeia.

Em uma entrevista à agência de notícias russa RIA Novosti, Maduro afirmou ainda que está "disposto a discutir pessoalmente com Donald Trump". Ao mesmo tempo, o presidente afirmou que não aceita a convocação de eleições presidenciais, que "aconteceram há menos de um ano, há 10 meses". "Não aceitamos ultimatos de ninguém no mundo, não aceitamos a chantagem. As eleições presidenciais aconteceram na Venezuela e, se os imperialistas querem novas eleições, que esperem até 2025", completou.

  • Foto: Bloomberg photo by Carlos BecerraNicolás MaduroNicolás Maduro

O sucessor de Hugo Chávez não detalhou se as eventuais eleições legislativas teriam acompanhamento de entidades internacionais ou o que aconteceria com os mandatos dos atuais parlamentares.

Espanha, França, Alemanha e Reino Unido deram a Maduro um prazo de oito dias, no sábado passado, para convocar eleições. Em caso contrário, devem reconhecer Guaidó como "presidente" da Venezuela para que organize novas eleições.

"Estou disposto a comparecer à mesa de negociações com a oposição, para falar, pelo bem da Venezuela, pela paz e pelo futuro", declarou Maduro. "Seria muito bom organizar eleições legislativas antes, seria uma boa forma de discussão política, uma boa solução através do voto popular."

Maduro expressou o reconhecimento ao presidente russo, Vladimir Putin, que apoia o governo venezuelano. A Venezuela recebe a cada mês armamento russo, "o mais moderno do mundo", como parte dos acordos vigentes, destacou Nicolás Maduro.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Brasil rejeita proposta de mediação na crise venezuelana

Bolsonaro diz que não irá intervir militarmente na Venezuela

EUA bloqueiam acesso de Maduro a dinheiro da venda do petróleo

Mais conteúdo sobre: