Amarante - PI

Mãe presta depoimento sobre morte de filha que foi dopada em Amarante

Os principais suspeitos de terem dopado a criança são os familiares que estavam presentes na residência no dia do fato.

Laura Moura
Teresina
- atualizado

A mãe da criança de três anos, identificada pelas inicias B. E. R. C., que morreu após ter sido dopada, prestou depoimento nesta segunda-feira (22) na Delegacia de Polícia Civil de Amarante. O caso aconteceu na casa da própria avó da vítima no dia 16 de julho.

Em entrevista ao GP1, o delegado Otony Nogueira, que preside o inquérito policial, informou que os principais suspeitos de terem dopado a criança são os familiares que estavam presentes na residência no dia do fato. “Estamos investigando ainda, mas foram familiares mesmo. Não tem envolvimento de terceiros”, comentou.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Delegado Otony NogueiraDelegado Otony Nogueira

Agora, outras pessoas estão sendo intimadas para depor.

Morte

A criança veio a óbito na última quinta-feira (18) no Hospital Infantil Lucídio Portela. O boletim médico da Secretaria de Saúde do Estado, divulgou que a vítima deu entrada no hospital do município de Amarante na última terça-feira (16). Em seguida, ela foi transferida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para a unidade hospitalar do bairro Promorar, zona sul de Teresina.

No hospital, a criança teve uma parada cardiorrespiratória com retorno da circulação após diversas manobras de reanimação. Por isso, logo depois, ela foi transferida para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Infantil Lucídio Portela.

Ao dar entrada, ainda conforme o boletim médico, a criança evoluiu para um quadro de gravíssimo devido a disfunção de múltiplos órgãos e veio a óbito.

Linha de investigação

A Polícia Civil acredita que a criança foi dopada para dormir, onde passou mal e acabou ficando desacordada. Ao chegar ao local, a mãe da criança foi agredida ao querer saber da situação.

“Estamos investigando desde a última terça-feira, não descartamos o estupro, mas temos como principal suspeita que a criança foi dopada para dormir por parte de familiares. A mãe morava com um companheiro na zona rural de Amarante, vinha para a cidade e deixava a criança na casa da vó de 50 anos, e nessa casa a família é problemática, com alguns usuários de drogas e de bebidas alcoólicas, então acreditamos que ela foi dopada para dormir, deixando a criança desacordada, passando mal, quando a mãe dela chegou lá, alguém acabou agredindo a mulher, o crime não tem nada a ver com o companheiro da mãe da criança”, informou o delegado.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Criança foi dopada na casa da avó em Amarante, diz delegado

Sesapi: criança que morreu no Hospital Infantil não foi estuprada