Teresina - PI

PM que matou Emilly Caetano responde a processo por atirar em homem

A denúncia foi oferecida pelo Ministério Público do Estado, através do promotor de Justiça Assuero Stevenson Pereira Oliveira, em maio deste ano.

Brunno Suênio
Teresina
- atualizado

O policial militar Aldo Luís Barbosa Dornel, preso acusado de matar uma criança de 9 anos durante uma abordagem, na noite de natal, em Teresina, responde a processo por lesão corporal grave na 9ª Vara Criminal (Auditoria Militar).

Segundo a denúncia oferecida pelo Ministério Público do Estado, em maio deste ano, no dia 9/07/2016, por volta das 19h30, uma guarnição do 5º BPM, composta pelo denunciado e o cabo Wellington Carneio Felicissimo, foi acionada para atender a uma ocorrência, motivo pelo qual se deslocou para uma residência localizada no bairro Vila Uruguai, onde encontrou um casal de idosos, que acionou a polícia em razão do comportamento agressivo do neto, Francivaldo dos Santos Silva.

No entanto, os policiais não encontraram Francivaldo, mas deixaram o telefone da viatura para que os idosos entrassem em contato caso o neto retornasse.

Pouco tempo depois a guarnição foi novamente acionada e retornou à aludida residência encontrando Francivaldo, que, supostamente, teria desobedecido às ordens proferidas pelos policiais, fato que levou o policial Aldo Dornel a efetuar três disparos contra a vítima, vindo a atingir, o joelho esquerdo de Francivaldo.

Segundo depoimento de testemunhas foram efetuados três disparos. Já o policial declarou ter atirado apenas uma vez.

A denúncia do promotor Assuero Stevenson Pereira Oliveira destaca ainda inconsistências entre os depoimentos dos policiais componentes da guarnição, vez que o policial Aldo disse que a vítima se aproximou dos militares segurando uma garrafa de vidro, enquanto que o cabo Felicissimo alega que a vítima se virou subitamente para o armário e pegou uma garrafa de vidro, tendo sido alvejada no exato momento em que iria atirar a garrafa contra os policiais.

Laudos complementares apontam que a lesão sofrida pela vítima resultou em debilidade permanente de membro.

Entenda o caso

Emíle Caetano da Costa, de 9 anos, morreu ao ser atingida com dois tiros durante uma abordagem da Polícia Militar na avenida João XXIII, localizada na zona leste de Teresina, na noite desta segunda-feira (25). A criança, juntamente com os pais e duas irmãs, estavam em um veículo modelo Renault Clio.

Evandro Costa e Dayanne Costa, pais de Emíle, também foram baleados dentro do carro. Evandro encontra-se internado no Hospital de Urgência de Teresina (HUT), em estado estável. Os dois policias, Aldo Luís Barbosa Dornel e Francisco Venício Alves, que participaram da ação estão presos no presídio militar.