Teresina - PI

Relação do PMDB com partido de Ciro Nogueira não é das melhores

No ato de filiação do Progressistas ocorrida nesta segunda, a ausência dos principais líderes peemedebistas foi sentida.

Germana Chaves
Teresina
- atualizado

O relacionamento entre o PMDB e o Progressistas, presidido pelo senador piauiense Ciro Nogueira Filho, não é dos melhores. Esse estremecimento ficou evidente durante ato de filiação dos progressistas, ocorrido nesta segunda-feira (04) em Teresina, que não contou com a presença de líderes peemedebistas importantes como o deputado João Mádison e o presidente da Assembleia Legislativa do Piauí, Themístocles Sampaio Filho, que comumente prestigia os eventos dos aliados e até mesmo de partidos da oposição.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Ciro Nogueira e Themístocles Filho Ciro Nogueira e Themístocles Filho

O único que esteve presente foi o deputado Zé Santana. A harmonia entre o PMDB que está no Governo e a legenda de Ciro foi quebrada depois que o senador reforçou o desejo de continuar ocupando a vaga de vice do governador Wellington Dias (PT). Essa colocação foi um balde de água fria nos planos peemedebistas que pretende colocar Themístocles no cargo em questão.

Para aumentar o desconforto, Ciro e Wellington encabeçaram um encontro com os líderes de suas respectivas bancadas. Excluído do diálogo, o PMDB reagiu chegando “ameaçar” a votar no ex-governador Wilson Martins para o Senado, ao invés, de apoiar a reeleição de Ciro Nogueira.