Parnaíba - PI

Revelados nomes de empresário e mais quatro alvos da "Operação Senes"

A Polícia Federal constatou a existência de 21 benefícios ligados aos investigados e outros 77 com fortes indícios de fraudes, perpassando o montante de R$ 7.654.000,06.

Brunno Suênio
Teresina
- atualizado

O GP1 teve acesso aos nomes dos alvos investigados no âmbito da Operação Senes, deflagrada pela Polícia Federal, no último dia 20 de novembro deste ano, que teve como objetivo desarticular uma organização criminosa especializada em fraude previdenciária nos estados do Piauí, Maranhão e Brasília-DF.

As investigações apontaram as participações de Joanilda Passos do Nascimento, Felipe Oliveira de Araújo, Maria do Socorro Pereira Lima, Jonathan Hans Silva Lima, além do proprietário da Madeireira Oiti, o empresário Luiz Gonzaga Balbino de Lima, os quais, segundo a Polícia Federal, estão relacionados à concessão e transferências fraudulentas de benefício de prestação continuada (BPC), tendo como modus operandi a utilização de documentos falsos e a arregimentação de idosos para obter sucesso na execuções dos crimes.

O Grupo de Repressão a Crimes Previdenciários da Polícia Federal constatou a existência de 21 benefícios ligados aos investigados e outros 77 com fortes indícios de fraudes, perpassando o montante de R$ 7.654.000,06 (sete milhões, seiscentos e cinquenta e quatro mil e seis centavos).

Um levantamento realizado pela Polícia Federal constatou que o Luiz Gonzaga Balbino de Lima se utilizava da condição de empresário para justificar o alto padrão de vida, no entanto, durante pesquisa ao CadUnico verificou se que Luiz Gonzaga e sua esposa declaram renda mensal de R$ 724,00, valor incompatível com a condição de vida e atividade empresarial do casal.

Em razão dos crimes atribuídos, os investigados responderão por estelionato majorado, falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistemas de informação e formação de quadrilha, cujas penas podem chegar a 15 anos de reclusão. Com exceção de Maria do Socorro Pereira, o Ministério Público se manifestou pela decretação da preventiva dos demais alvos, que foram presos no dia 20 do mês passado.

Entenda o caso

A Polícia Federal deflagrou no dia 20 de novembro a Operação SENES, com o objetivo de desarticular uma quadrilha especializada em fraude previdenciária nos estados do Piauí, Maranhão e Brasília-DF.

Ao todo, 03 mandados de prisão preventiva e 09 mandados de busca e apreensão foram expedidos pela Justiça Federal em Parnaíba.

As investigações tiveram início a partir de um inquérito instaurado em 2018, diante da prisão em flagrante de um integrante do bando e, desde então, tramita entre a Polícia Federal e o Ministério Público Federal em Parnaíba.

Segundo o Núcleo de Inteligência da Coordenação Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista – CGINT, orgânica da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, que participou das investigações, o prejuízo efetivo já remonta a R$ 7,6 milhões de reais com o pagamento dos benefícios identificados, obtidos de forma indevida. Contudo, com a deflagração da operação, a economia gerada é de pelo menos R$ 13,6 milhões de reais, apenas considerados os benefícios previdenciários identificados e suspensos nessa primeira fase da investigação.

NOTÍCIA RELACIONADA

PF deflagra Operação SENES contra fraude previdenciária no Piauí

Mais conteúdo sobre: