Política

Servidores estaduais podem deflagrar greve nesta quarta no Piauí

Segundo Caetano Mello, presidente do sindicato dos auditores fiscais do Piauí, a greve é por conta da votação em regime de urgência da reforma da Previdência na Alepi.

Jeyson Moraes
Teresina
Germana Chaves
Teresina
- atualizado

Os servidores públicos do Estado do Piauí podem deflagrar greve nesta quarta-feira (10). O motivo da paralisação é a votação em pedido de urgência da PEC 03/2019 (Proposta de Emenda Constitucional) da Reforma da Previdência enviada pelo Governo Estadual à Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi). Eles estiveram durante toda a manhã desta terça (9) realizando manifestação em frente a Alepi com faixas e cartazes contra a PEC.

O presidente do Sindicato dos Auditores Fiscais do Estado, Caetano Mello, disse em entrevista à imprensa na manhã desta terça (10), que as categorias estavam se mobilizando para começar a greve somente na quinta, mas a manifestação deve ser antecipada por causa da não retirada do pedido de urgência da votação e da decisão de Dias Toffoli, presidente do STF, que derrubou a liminar que suspendia a tramitação da PEC.

  • Foto: Alef Leão/GP1Caetano MelloCaetano Mello

“Nós tínhamos convocado as categorias para se caso o governo insistir em fazer o julgamento em regime de urgência, a gente deflagrar a greve geral na quinta-feira. Mas diante desses fatos novos, a gente já conversou com as lideranças e o encaminhamento vai ser feito hoje para a greve começar amanhã”, relatou.

Caetano afirmou que a contribuição previdenciária vai praticamente dobrar e que isso não é algo para ser votado em regime de urgência com apenas uma audiência pública. Ele reafirmou que a reforma deve ser amplamente debatida e discutida com todas as classes envolvidas.

“O que nós estamos pedindo agora é que o governo se porte como ele alardeia a nível nacional, que é defensor do regime democrático. Essa é uma situação dessa não pode ser objeto de apenas uma audiência pública, nós precisamos trabalhar essa situação durante um tempo”, ressaltou o sindicalista.

Audiência Pública

Durante reunião na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Alepi, os deputados decidiram que será realizada uma audiência pública na quarta-feira para debater a reforma e a votação já deve acontecer na quinta.

Caetano Mello criticou a reunião e foi enfático ao dizer que a audiência é uma fachada. Ele reafirmou que essa audiência restringe a presença dos servidores públicos. “É apenas para depois dizer para a sociedade que fez uma audiência pública. Não é esse o pedido do nosso movimento, queremos a retirada do pedido de urgência para que possamos fazer várias discussões, isso é complexo”, finalizou.

Mais conteúdo sobre: