Teresina - PI

Ursa Marsha é resgatada em Teresina e seguirá para rancho em SP

Para que a ursa entrasse na jaula foi necessário silêncio total no local e foram usados cenoura e mel para atraí-la, uma essência floral também foi borrifada para acalmar o animal.

Débora Dayllin
Teresina
Nayrana Meireles
Teresina
- atualizado

Ursha Marsha é resgatada para o Rancho dos Gnomos em São Paulo

A operação de resgate da ursa Marsha do Zoobotânico de Teresina durou cerca de 3 horas. Na tarde desta sexta-feira (21), o animal entrou na jaula que a levará para Joanópolis, onde fica o Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos, na Serra da Mantiqueira, entre as cidades de São Paulo e Minas Gerais.

Para que a ursa entrasse na jaula foi necessário silêncio total no local e foram usados cenoura e mel para atraí-la, uma essência floral também foi borrifada para acalmar o animal. Marsha será levada até o aeroporto de Guarulhos em São Paulo em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) e de lá seguirá para o Santuário em transporte terrestre.

Para o fundador do santuário, Marcos Pompeu o processo de resgate foi um sucesso. “É um processo que nós já realizamos há anos. Nós temos 27 anos trabalhando com resgate de animais. Nesse caso, toda essa logística de acoplar a nossa carreta ao recinto dela. Deu tudo certo, foi um sucesso. Ela entrou na carreta já de pronto sem sedação e agora é o procedimento de embarque, na aeronave e embarcar para São Paulo fazendo a viagem de volta. Nós temos toda uma preparação tanto a nível energético como a nível físico dela. Nós utilizamos a alimentação que ela mais gosta então isso funcionou também e foi perfeito”, afirmou.

Questionado sobre as melhorias que o santuário irá trazer para a Ursa, Marcos destacou que o clima ameno da serra trará qualidade de vida a Marsha. “Eu acho que o clima é o maior ponto. O outro ponto é que ela vai está em meio às montanhas, Serra da Mantiqueira, um local arejado. Então só isso basta para ser o motivo dela transferência. Então a gente acredita que a Marsha vai ter um finzinho de vida em uma qualidade melhor em se tratando de vida”.

Para a presidente da Confederação Brasileira de Proteção Animal, Carolina Mourão, o resgate da Ursa Marsha foi um marco histórico mundial. “É um evento mundial de importância mundial, não somente nacional. O mundo inteiro está observando se a gente é capaz desse ato de solidariedade, de colaboração entre sociedade, estado, governo, rede social, zoológico e santuário. É um alinhamento raro, muito difícil, que o Piauí conquistou na frente de outros estados. Então a gente passa a administrar uma crise como uma oportunidade, inclusive para o próprio governo e para quem achava que isso seria ruim para o Piauí. Não, uma transferência dessa é uma excelente notícia, é um ato mesmo ambiental, é um observatório mundial essa situação. Então parabéns Piauí, parabéns a todos vocês da rede social, cada um que clicou que balançou, que compartilhou, que torceu, sem vocês isso não teria acontecido”, relatou emocionada.

Novo nome

A partir do momento que a Ursa Marsha que ficou conhecida nacionalmente como a ursa mais triste do mundo, chegar ao seu novo lar, o Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos, receberá um novo nome: Rowena.

Segundo uma das fundadoras do rancho, Silvia Pompeu, o nome significa “energia de luz”. “O nome dela a partir de agora que entrou na carreta do rancho é Rowena, não é mais Marsha porque a gente está oferecendo para ela uma vida nova, é tudo novo para ela é uma nova etapa da vida dela. Então Marsha agregado a todo sofrimento que ela passou em circo, todos esses anos, hoje ela se chama Rowena”.

Luisa Mell

A protetora de animais e apresentadora Luisa Mell, fundadora do Instituto Luisa Mell, veio até Teresina, juntamente com a atriz Alexia Dechamps, acompanhar o resgate da Ursa Marsha. Na ocasião ela falou da emoção de participar desse momento.

“É uma grande emoção, mas eu fico muito apreensiva porque a gente tem uma lógica que a primeira parte foi concluída com muito sucesso. Ela realmente entendeu que a gente veio ajudar. Eu sempre acho que os animais entendem tudo. Agora a gente tem uma viagem longa, primeiro até São Paulo, depois até Joanópolis, então eu só vou comemorar quando ela tiver com o recinto que o instituto construiu graças a todo mundo que me ajuda e a gente pode ajudar também outras ONGs e outros animais”.