GP1

Altos - Piauí

Equatorial diz que cumprirá ordem para religar energia em Altos

"A Companhia irá se manifestar nos autos, tempestivamente, e dará cumprimento a decisão", diz a empresa.

A Equatorial Piauí enviou nota de esclarecimento ao GP1, na tarde desta quinta-feira (24), após matéria publicada sobre a decisão judicial que determinou a religação imediata da energia elétrica fornecida pela empresa à Prefeitura Municipal de Altos.

A concessionária explicou que realizou o corte de energia em três unidades consumidoras do município que são classificadas como serviços não essenciais. A suspensão no fornecimento, de acordo com a Equatorial, se deu após a prefeitura ser notificada formalmente.

“A sede da prefeitura, a quadra de esportes (Santa Inês) e a rodoviária municipal, tiveram a energia suspensa, em função da inadimplência registrada sob a responsabilidade da prefeitura municipal e o não pagamento integral referente à notificação das competências fevereiro, março e abril deste ano, compreendendo faturas de consumo e parcelas vencidas da negociação de acordo vigente firmado com o município”, diz a nota.

Foto: Marcelo Cardoso/GP1Equatorial em Teresina Piaui
Equatorial em Teresina Piaui

Ainda segundo a empresa, a prefeitura teria dívidas acumuladas desde o ano de 2016. “Vale ressaltar que, além dos débitos notificados que motivaram o corte, constam dívidas acumuladas referentes ao período de agosto de 2016 a abril de 2021”, continua o texto.

Por fim, a Equatorial afirmou que respeitará a decisão judicial e irá se manifestar nos autos. “A Companhia irá se manifestar nos autos, tempestivamente, e dará cumprimento a decisão judicial apresentando o recurso cabível”.

Leia a nota da Equatorial na íntegra:

A Equatorial esclarece que realizou na última terça-feira (22), a suspensão do fornecimento de três unidades consumidoras classificadas como serviços não essenciais do município de Altos. Convém destacar que tal procedimento aconteceu após envio de notificação formal à Prefeitura Municipal, conforme estabelece a Resolução 414/2010 da Aneel. Sendo assim, a sede da prefeitura, a quadra de esportes (Santa Inês) e a rodoviária municipal, tiveram a energia suspensa, em função da inadimplência registrada sob a responsabilidade da prefeitura municipal e o não pagamento integral referente à notificação das competências fevereiro, março e abril deste ano, compreendendo faturas de consumo e parcelas vencidas da negociação de acordo vigente firmado com o município.

Vale ressaltar que, além dos débitos notificados que motivaram o corte, constam dívidas acumuladas referentes ao período de agosto de 2016 a abril de 2021.

Estando sempre à disposição dos clientes, a Equatorial Piauí informa que tem imprimido todos os esforços possíveis para encaminhar o caso à solução, desde notificações por escrito a contatos com a finalidade de viabilizar reuniões com a Prefeitura do município, zelando pela segurança, transparência e responsabilidade em suas relações institucionais. Apesar de ter sido oferecida via administrativa para a negociação, o município optou pelo ajuizamento de ação judicial, tendo sido a Equatorial Piauí notificada da decisão na data desta quinta-feira, dia 24. Assim, a Companhia irá se manifestar nos autos, tempestivamente, e dará cumprimento a decisão judicial apresentando o recurso cabível.

A Distribuidora reforça que o pagamento regular das faturas de energia por todos os clientes, o que inclui as unidades sob titularidade ou responsabilidade dos entes municipais, é condição fundamental para que a Equatorial avance no plano de investimentos para a melhoria contínua da prestação do serviço de distribuição de energia. Desde a chegada do Grupo Equatorial no Piauí, em outubro de 2018, já foram investidos mais de R$ 622 milhões na recuperação e ampliação do sistema elétrico de norte a sul do Estado.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.