GP1

Teresina - Piauí

Jeová nega manobra para manter Antônio José Lira no cargo

A resposta foi dada ao suplente Júnior Macêdo, que quer assumir a vaga deixada por Renato Berger.

O presidente da Câmara Municipal de Teresina, vereador Jeová Alencar (Republicanos), rebateu nesta terça-feira (21) o suplente Júnior Macêdo (PSD) que ameaçou entrar na Justiça para assumir uma vaga na Casa Legislativa e rechaçou que está mantendo o vereador Antônio José Lira (Republicanos) ilegalmente no cargo.

“Ele pode judicializar, é um direito dele. Eu quero deixar bem claro que não é nada pessoal e muito menos político. Estou seguindo a lei orgânica dessa Casa. É um direito dele e eu tenho o maior respeito por ele, é meu amigo, mas eu não posso deixar de cumprir o regimento e a lei orgânica”, afirmou o presidente.

Foto: Lucas Dias/GP1Jeová Alencar
Jeová Alencar

Sobre a acusação feita por Júnior Macêdo de que o presidente está usando a estrutura da Câmara para manter no cargo um vereador ilegalmente, Jeová negou. “Eu não estou usando de nada, eu estou usando a lei. Se usar a lei é usar a estrutura da Casa, pois eu estou usando. A Casa tem um regimento, Teresina tem uma lei orgânica que é a nossa Constituição da nossa cidade. E eu estou seguindo aqui junto com o nosso setor jurídico”, declarou o vereador.

“Eu acho que ele está no direito dele de entrar na justiça. Eu é meu amigo e é uma situação difícil, eu entendo o lado dele, mas ele tem que entender que, como presidente, eu tenho que seguir a nossa lei orgânica”, reforçou Jeová.

“Eu dou aqui um exemplo: uma pessoa que é chamada para o concurso e pede para ir para o final da fila, será que na hora que ele quiser voltar ele pode? Claro que não. Quero também deixar claro que o Júnior não renunciou à condição de suplente. Ele apenas desistiu naquele momento, naqueles termos que é bem claro o regimento. Se ele desistiu naqueles termos, ele não pode voltar a hora que ele quiser. Então, fica mantido o vereador Antônio José Lira”, pontuou Jeová Alencar.

Entenda o caso

O suplente de vereador Júnior Macêdo (PSD) afirmou que vai entrar na Justiça para assumir o mandato caso a Câmara Municipal de Teresina não lhe dê posse.

Nessa segunda-feira (20), Júnior protocolou requerimento solicitando a sua posse no cargo de vereador com a vacância deixada por Renato Berger, que assumiu a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, e da ida do primeiro suplente, Eduardo Draga Alana para a Secretaria da Juventude.

Foto: Lucas Dias/GP1Júnior Macêdo
Júnior Macêdo

Na época, Júnior e Cida Santiago, a terceira suplente, não assumiram alegando questões pessoais, em razão disso o quarto suplente, Antônio José Lira assumiu a vaga. “Não pude assumir antes, tive uma perda familiar que me abalou muito, mas agora estou pronto para exercer o mandato e honrar os votos dos meus eleitores”, disse Júnior Macêdo, que afirmou que está na hora de assumir o cargo que é seu por direito.

Contudo, o presidente da Casa, Jeová Alencar, afirmou nesta terça (21) que o regimento interno e a lei orgânica impedem a posse de Júnior Macêdo na vaga por ele ter desistido de assumir na época.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.