GP1

Piauí

Quatro anos após o crime, ex-tenente será julgado pela morte de Iarla Lima

Caso seja condenado, o ex-tenente José Ricardo da Silva Neto poderá pegar até 30 anos de cadeia.

O juiz Antonio Reis de Jesus Nolleto, da 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri da Comarca de Teresina, designou para o dia 24 de novembro deste ano, a partir das 08h30, a realização da sessão plenária de julgamento, pelo Conselho de Sentença, do ex-tenente do Exército Brasileiro, José Ricardo da Silva Neto, acusado dos crimes de homicídio consumado triplamente qualificado, por motivo fútil, feminicídio e duplo homicídio tentado qualificado contra a namorada Iarla Lima Barbosa, e outras duas pessoas, a irmã da vítima, Ilana Lima Barbosa, e uma amiga, Josiane Mesquita da Silva, próximo ao Bendito Boteco, na zona leste de Teresina, crime ocorrido em 19 de junho de 2017.

A acusação destaca que o homicídio foi cometido por motivo fútil em razão de menosprezo ou discriminação à condição de mulher e sem possibilitar qualquer margem de defesa as vítimas.

Foto: DivulgaçãoJosé Ricardo e Iarla Lima
José Ricardo e Iarla Lima

O Ministério Público arrolou 05 (cinco) testemunhas, para serem ouvidas em plenário de julgamento, em caráter de imprescindibilidade: Lucas Matheus Lopes, Anderson da Silva Torres, Samara Teixeira de Oliveira França, Isaac Moreira Borges e Arthur Gabriel de Andrade Rodrigues. Requereu, ainda, a apresentação da arma do crime, caso tenha sido apreendida, em Plenário do Júri, e a juntada da certidão de antecedentes criminais do acusado.

A defesa de José Ricardo da Silva Neto arrolou 04 (quatro) testemunhas para serem ouvidas quando do julgamento: Luiza Maria Gomes Ferreira Barradas, Severino Marques Reis Júnior, Sonny Mateus Delfim da Silva Lima Filho e Chaiana Maria de Jesus Craveiro.

Caso seja condenado, o ex-tenente poderá pegar até 30 anos de cadeia.

Entenda o caso

José Ricardo da Silva Neto executou, na madrugada de 19 de junho de 2017, a namorada Iarla Lima Barbosa e deixou feridas outras duas pessoas, a irmã da vítima, Ilana, e uma amiga de 25 anos, próximo ao Bendito Boteco, na zona leste de Teresina.

O ex-militar iniciou uma discussão com Iarla dentro do carro após saírem de uma festa que ocorria no Bendito Boteco. Ele teria ficado com ciúmes de Iarla e, após fazer acusações contra ela, a atingiu com dois tiros no rosto. A irmã da vítima e a amiga conseguiram fugir do carro. Uma das jovens foi atingida de raspão na cabeça e a outra no braço.

O tenente chegou a retornar para o condomínio onde morava com a namorada morta dentro do carro. Ele foi preso por uma equipe do BPRone.

O juiz de direito da Central de Inquéritos, Luiz de Moura Correia, chegou a determinar a quebra do sigilo de dados e imagens dos aparelhos telefônicos do ex-oficial do Exército com o fim de subsidiar as investigações do Núcleo Policial Investigativo de Feminicídio.

No dia 25 de julho de 2017, a juíza de direito Maria Zilnar Coutinho Leal, respondendo pela 1ª Vara do Tribunal do Júri, recebeu a denúncia contra José Ricardo.

Durante audiência realizada em novembro, José Ricardo confirmou que atirou em Iarla, mas disse que os tiros que atingiram as outras duas pessoas que estavam no veículo foi acidental.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.