Fechar
GP1

Piauí

Polícia Civil do Piauí indicia golpista que se passava pelo cantor Léo Cachorrão

O inquérito foi concluído no dia 7 de junho pelo delegado Kleydson Ferreira da Costa Silva.

A Polícia Civil do Piauí, através da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), indiciou Maxwell dos Santos, acusado de se passar pelo cantor piauiense Léo Cachorrão para extorquir e divulgar fotos íntimas de oito mulheres. O inquérito foi concluído no dia 7 de junho pelo delegado Kleydson Ferreira da Costa Silva.

Conforme o relatório, o acusado utilizava um perfil no Facebook com o nome e imagens de Léo Lima (Léo Cachorrão) para conversar com mulheres, oportunidade em que pedia fotos íntimas e logo em seguida as extorquia, ameaçando divulgar as imagens recebidas.

Foto: Reprodução/InstagramCantor Léo Cachorrão
Cantor Léo Cachorrão

Em 2023, o artista teve conhecimento do perfil no Facebook em seu nome e registrou um boletim de ocorrência, assim como as oito mulheres vítimas de extorsão, o que ensejou a abertura do inquérito policial. Durante as investigações, a polícia descobriu que Maxwell dos Santos cobrava das vítimas PIX nos valores de R$ 200 e R$ 250 para não divulgar as imagens.


Uma das vítimas relatou, inclusive, que chegou a realizar a transferência de R$ 200 para o acusado, no entanto, teve seu número divulgado em grupos de pornografia no WhatsApp, passando a receber várias mensagens de homens desconhecidos.

O que disse o acusado

Em seu interrogatório, Maxwell dos Santos confessou ter criado um perfil no Facebook com o nome do cantor Léo Cachorrão. No entanto, ele afirmou que não escolhia as vítimas, uma vez que “elas que enviavam as mensagens”. Maxwell ainda disse estar arrependido e que só cometeu os delitos por estar desempregado.

Foto: ReproduçãoMaxwell dos Santos
Maxwell dos Santos

Manutenção do pedido de prisão preventiva

O delegado pediu a manutenção da prisão preventiva do acusado, visto que “os crimes extorsão e divulgação de cenas de nudez, são punidos com pena de reclusão superior a quatro anos, portanto, atende aos requisitos exigidos”. Ele está preso desde o dia 29 de maio, quando foi localizado em Sergipe.

Indiciamento

Maxwell dos Santos então foi indiciado pelos crimes de falsa identidade, extorsão, divulgação de cena de estupro ou de cena de estupro de vulnerável e de cena de sexo ou de pornografia.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2024 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.